Emissões de CO2 da Austrália crescerão 25% até 2020

Ministro de Mudança Climática australiano, Greg Combet, afirmou que país seguirá investindo em combustíveis fósseis

EFE |

As emissões de gases causadores do efeito estufa da Austrália crescerão quase 25% nesta década, o que tornará muito difícil o cumprimento da meta de reduzi-las em 5% até 2020 com relação aos níveis de 2000, admitiu o Governo do país nesta quara-feira.

O ministro de Mudança Climática australiano, Greg Combet, indicou que é "muito grande" o risco de o objetivo não ser alcançado.

Quando chegou ao poder em 2007, o Partido Trabalhista prometeu introduzir em até três anos um sistema de mercado de carbono, mas não obteve apoio parlamentar suficiente e decidiu abandonar a iniciativa.

Além disso, a atual primeira-ministra australiana, Julia Gillard, demonstra dar menos atenção ao tema que seu antecessor, Kevin Rudd.

Combet explicou que já que os preços do carvão seguem afetando negativamente os investimentos em energia renovável, seguirão sendo construídas centrais alimentadas por combustíveis fósseis.

A Austrália é um dos países com as maiores taxas de emissões per capita, com um índice cinco vezes maior que o da China, justamente o principal mercado para suas exportações de carvão e outros recursos naturais.

A poderosa indústria mineradora australiana tem em Combet um forte aliado, já que ao assumir o cargo o ministro se comprometeu a proteger o setor, que satisfaz 80% da demanda energética do país.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG