Desmatamento na Amazônia cai 11% em relação ao ano passado

Dados do Inpe mostram que 2011 teve a menor taxa de desmate desde que o registro é feito

iG São Paulo |

AE
Madeireira ao lado de área com vegetação nativa em Santarém. Pará
Entre agosto de 2010 e julho de 2011, a Amazônia perdeu 6.238 km 2 de floresta de acordo com dados do Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe). A área desmatada é 11% menor que a devastação registrada em 2010, que foi de de 7 mil km².  O desmatamento registrado em 2011 foi a menor taxa anual de desmate registrada pelo Inpe, desde o início do levantamento, em 1988.

 Apesar da queda, a área desmatada na Amazônia Legal em um ano ainda é maior que o Distrito Federal ou quatro vezes o tamanho da cidade de São Paulo. De acordo com o diretor do Inpe, Gilberto Câmara, quase todos os estados da Amazônia registraram queda no desmatamento entre 2010 e 2011. Apenas em Mato Grosso e Rondônia os satélites verificaram aumento das derrubadas. Mato Grosso desmatou 1.126 km² no período, aumento de 20% em relação a 2010. Em Rondônia, o Inpe registrou 869 km² de novos desmates em um ano, área o dobro da desmatada no período anterior.

Leia mais:
Desmatamento da Amazônia em outubro sobe para 386 km2
Desmatamento na Amazônia cresce 13,5% em relação ao ano passado
Desmatamento da Amazônia cai 53,6% em julho na comparação anual
Brasil perde para outros Brics na hora de proteger suas florestas

No Pará, houve queda de 15% em relação a 2010, mas o estado ainda lidera o ranking anual de desmatamento, com 2.870 km² de florestas a menos entre agosto de 2010 e julho de 2011. O número é calculado pelo Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal (Prodes), que utiliza satélites para observação das áreas que sofreram desmatamento total, o chamando corte raso.

"É a menor taxa de desmatamento da história, desde que começou esse monitoramento. É uma taxa histórica e representativa, sinalizando que continuamos com a nossa determinação de reduzir o desmatamento na Amazônia. Ainda apresentamos resultados extremamente sensíveis em alguns Estados. O fato de Rondônia apresentar 100% de aumento é algo que precisa ser esclarecido", disse Izabella.

Segundo a ministra, o governo federal já vem dando atenção especial ao caso de Rondônia, com os resultados dos meses de agosto, setembro e outubro já sinalizando uma redução do desmatamento. Izabella disse estar "particularmente feliz" com os resultados e defendeu medidas de redução de desmatamento aliadas a estratégias de sustentabilidade e inclusão social na região. Segundo o ministro Mercadante, o governo está investindo R$ 1 bilhão em satélites que vão aperfeiçoar o monitoramento das florestas.

O governo atribui à queda do desmatamento anual às ações de fiscalização e combate, reforçadas a partir de abril, quando o sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real (Deter), também do Inpe, mostrou aumento significativo do desmatamento, principalmente em Mato Grosso e Rondônia.

“Os alertas do Deter desencadearam operações significativas que reduziram muito a incidência do desmatamento em Mato Grosso. Por causa dessa ação, verificamos que o desmatamento que em abril tinha indícios de que iria crescer, manteve-se por mais um ano em queda”, avaliou o diretor do Inpe, Gilberto Câmara.

De acordo com o presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Curt Trennepohl, somente em Mato Grosso, as operações resultaram no embargo de 38,5 mil hectares de áreas desmatadas irregularmente. Em toda a Amazônia Legal, o número chega a 79 mil hectares embargados, além de 8 mil autos de infração aplicados, 350 caminhões apreendidos e 42 mil metros cúbicos de madeira em tora apreendidos.

(Com informações da Agência Brasil e da Agência Estado)

    Leia tudo sobre: desmatamentoamazôniainpeprodes

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG