Demanda asiática faz caça de rinoceronte bater recorde na África

África do Sul registra aumento de abate ilegal dos animais. Valor de mercado dos chifres está mais alto que o do ouro

Reuters |

Getty Images
Pelo menos 443 rinocerontes foram abatidos este ano na África do Sul para a extração dos seus chifres
Um número recorde de rinocerontes foi caçado neste ano na África do Sul, país que tem a maior população mundial desse animal, num reflexo da crescente demanda asiática por seus chifres.

Pelo menos 443 rinocerontes foram mortos neste ano na África do Sul, 110 a mais do que em 2010, segundo conservacionistas e autoridades dos parques nacionais sul-africanos.

O valor de mercado dos chifres de rinoceronte disparou para cerca de 65 mil dólares por quilo (cerca de 121 mil reais), o que torna esse produto mais valioso que o ouro, a platina e, em muitos casos, a cocaína. Isso se deve à crença que se espalhou nos últimos anos na Ásia, embora sem fundamento científico, de que a ingestão do pó de chifre pode curar ou prevenir o câncer.

Leia também:
África do Sul estuda retirar chifres de rinocerontes

ONG transporta rinocerontes com helicóptero na África do Sul
WWF adverte para risco de extinção dos rinocerontes
Apreensão de marfim bate recorde em 2011

Mais de 20 mil rinocerontes vivem na África do Sul. Há uma década, apenas cerca de 15 animais morriam por ano. Mas por volta de 2007 a caça passou a aumentar drasticamente, por causa do aumento do poder de compra de parte das populações de países como Vietnã e Tailândia.

Agora, o número de rinocerontes abatidos legal ou ilegalmente chegou a um ponto que ameaça levar ao declínio populacional, segundo estudo realizado pelo especialista Richar Emslie.

Cerca de metade das mortes acontece no Parque Nacional Kruger, o mais visitado da África do Sul. Soldados e aviões têm sido mobilizados nos últimos meses para vigiar o parque, que tem uma área equivalente à metade de Israel.

Especialistas dizem que uma "corrida armamentista" está acontecendo no parque, pois quadrilhas internacionais oferecem aos caçadores recursos como armas de alta potência, óculos de visão noturna e até helicópteros.

Em outro estudo divulgado nesta semana, conservacionistas apontavam que 2011 será um ano recorde em grandes apreensões de marfim na África , o que também reflete a demanda asiática pelas presas de elefantes, usadas em joias e adornos.

A África do Sul, que concentra mais de 90 por cento dos rinocerontes da África, concede algumas licenças legais para a caça. Os chifres resultantes são montados como troféus, exportados para a Ásia e vendidos no mercado negro, segundo policiais e autoridades alfandegárias.

Muitos caçadores foram treinados pela polícia e pelas Forças Armadas de Moçambique, e agora vivem na região fronteiriça próxima ao Parque Kruger, segundo os investigadores sul-africanos.

Seu lucro com a caça é relativamente pequeno em comparação ao dinheiro que fica com outros envolvidos. Mesmo assim, o valor é visto como uma fortuna para os padrões da África meridional.

O chifre de rinoceronte moído aparece há séculos nas receitas da medicina chinesa, para o combate a males como reumatismo, gota, febre e até possessão por espíritos malignos. Nos últimos anos, o material ganhou também a reputação de ser afrodisíaco e anticâncer.

"Nada é mais trágico do que ver esse assassinato totalmente desnecessário e brutal de um animal por seu chifre, e o chifre por sua vez tem zero valor medicinal", disse Pelham Jones, líder da Associação de Proprietários Particulares de Rinocerontes da África do Sul.

    Leia tudo sobre: rinoceronteextinçãoáfrica do sul

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG