Degradação da biodiversidade mundial acelera, diz Ban Ki-moon

Secretário geral da ONU afirmou na reunião sobre Metas do Milênio que falta ainda compreensão sobre as consequências da destruição

AFP |

O mundo não consegue frear o ritmo no qual as espécies animais e vegetais desaparecem, advertiu nesta quarta-feira ( o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, em uma reunião sobre biodiversidade durante a cúpula das Nações Unidas sobre as Metas do Milênio em Nova York.

"A degradação da diversidade acelera-se no mundo", enfatizou Ban aos líderes reunidos na sede da ONU. "A razão é simples: as atividades humanas, de vocês, minhas, as de cada um (...). Muita gente continua sem entender as consequências dessa destruição", completou.

Relatórios recentes advertem que o ritmo natural da extinção de espécies multiplicou-se por 1.000 devido à atividade humana e também às mudanças climáticas.

Mas a comunidade internacional tinha se comprometido a reduzir o ritmo da perda de espécies e habitats até 2010, declarado o ano internacional da biodiversidade.

"A meta para 2010 não foi alcançada", disse Ban.

O secretário-geral também advertiu que na convenção sobre diversidade biológica em outubro na cidade japonesa de Nagoya, os representantes de 193 nações deverão discutir a distribuição equitativa das responsabilidades sobre os recursos naturais e seus benefícios.

Um plano estratégico com as nações de economias emergentes deve "garantir transparência, segurança jurídica e previsibilidade para quem busca acesso aos recursos, assim como distribuição justa e equitativa dos benefícios derivados deles", advertiu, por sua vez, o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso.

A ministra brasileira do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, pediu para divulgar mais a importância de conservar as espécies animais e vegetais.

"Precisamos de um pacto em Nagoya", disse Teixeira, que instou os líderes mundiais a "elevar o perfil da biodiversidade e galvanizar a vontade política e o compromisso de todos os países".

"Não seremos capazes de mitigar a mudança climática nem de nos adaptar a seu impacto, nem de prevenir a desertificação e degradação dos solos, se não protegermos nossos ecossistemas e biodiversidade", enfatizou Barroso.

    Leia tudo sobre: biodiversidadeONUBan Ki-moonIzabella Teixeiranagoya

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG