Coordenador da Rio+20 afirma que Brasil deve liderar sustentabilidade

Brice Lalonde disse que agora é hora de por em prática ações e soluções que estavam apenas em palavras

Maria Fernanda Ziegler, enviada especial a Manaus |

Imagem Paulista
Coordenador-executivo da Rio+20 defende criação de Órgão da ONU para Meio Ambiente
O coordenador-executivo da Rio+20 (Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável), Brice Lalonde, disse nesta quinta-feira (22) que o Brasil deveria assumir a liderança “tendo jovens tão entusiastas com a sustentabilidade”.

“Para mim, a Rio+20 será uma oportunidade. Muitas pessoas querem ação, não só palavras. Agora é hora de por em prática. Porém, ações e soluções vêm das pessoas e dos chefes de estado e não só dos diplomatas”, disse Lalonde em coletiva de imprensa no Fórum Mundial de Sustentabilidade, que ocorre até sábado (24), em Manaus .

“Eu espero que na Rio+20 todos os países cheguem a um acordo de trabalho que possa ser cumprido nos próximos 20 anos e que as nações criem objetivos para atingir uma economia sustentável tratando também de alimentos, energia e solidariedade social para que se tome decisões sustentável em todos os níveis”, disse.

Ele afirmou que na ECO 92 as pessoas achavam que o problema em relação à sustentabilidade era que ninguém se preocupava em cuidar da natureza e do planeta. “Depois da conferência, vimos que tudo era ainda mais complicado pois, a realidade é mais difícil do que pensávamos naquele momento”, disse.

Novo órgão: Agência Nacional de Águas questiona relevância do tema na Rio+20

O ex-ministro de Ambiente da França disse também que não é possível falar de desenvolvimento sustentável com corrupção. Lalonde afirmou que governança será um dos temas da Rio+20 e que a partir a conferência pretende combater a corrupção. “Isso não é a solução para o problema, mas ajuda em grande parte”, disse.

Questionado sobre a proposta de criação de um novo órgão na ONU para o Meio Ambiente, nos moldes da Organização Mundial da Saúde (OMS), Lalonde disse que a iniciativa é essencial para que países possam estabelecer prioridade sobre o assunto. “Neste momento nós só temos um programa e por meio dele os países não podem tomar decisões. Eles acabam criando convenções à medida que vão encontrando um problema. O que precisamos é de um lugar para tomar boas decisões, mas não podemos confrontar desenvolvimento e meio ambiente, nós precisamos de uma agência de Meio ambiente com um conselho de desenvolvimento sustentável”, disse.

A repórter viajou a convite do Fórum Mundial de Sustentabilidade

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG