Comissão brasileira pede mais ousadia em texto da Rio+20

Encontro no Itamaraty discutiu as modificações que o Brasil vai propor no texto inicial da conferência

Reuters |

A comissão nacional que discute as sugestões do Brasil para o documento final da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, afirmou nesta quarta-feira que o texto inicial da ONU, o chamado rascunho-zero, precisa ser "mais ambicioso e ousado", de acordo com ministros.

O encontro de mais de quatro horas no Itamaraty reuniu 22 ministros, senadores, deputados, representantes do Judiciário e da sociedade civil para discutir as modificações que o Brasil irá propor na minuta inicial, preparada pela ONU a partir de mais de seis mil páginas de sugestões de países e organizações em todo o mundo.

A versão que resultar dos debates na Organização das Nações Unidas, para onde o Brasil levará sugestões, será o documento final da Rio+20, que será realizada em junho no Rio de Janeiro.

Leia mais:
Governo brasileiro não quer ligar Rio+20 às negociações climáticas
Rio+20 inicia contagem regressiva em busca de economia verde
Debates da Rio+20 devem destacar economia verde como alternativa mundial
Divulgado esboço das metas da Rio+20

"Há um sentimento de que devemos ser ambiciosos e que o Brasil tem uma liderança natural a exercer pelos exemplos e pelas conquistas realizadas até aqui", afirmou o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, no fim do encontro.

Segundo um assessor do Ministério do Meio Ambiente que esteve presente ao evento, mas falou sob condição de anonimato, o clima da reunião era de decepção com o texto inicial da ONU.

"A versão que o Brasil enviou como sugestão (antes da confecção do rascunho-zero) era muito melhor", afirmou ele.

Segundo a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, a partir do resultado dos debates da comissão nacional, o Brasil levará uma "posição de negociação" para outros fóruns decisórios.

"(O Brasil) vai negociar as posições e buscar maior robustez, dar este caráter ousado e ambicioso às nossas teses", afirmou ela.

Participantes que deixaram a reunião relataram que falta no texto referências mais claras ao combate à pobreza, à importância da cultura, aos avanços na governança global e também à inclusão de pleitos de comunidades tradicionais do Brasil, como indígenas e afrodescendentes.

"A maior parte dos comentários foi sobre o projeto-zero, sinalizando insuficiências na área da agenda social até outras que se relacionam com juventude, com agenda da inclusão, direitos humanos", exemplificou Patriota.

O ministro disse ainda que o Brasil se esforça para que todos os participantes da Rio+20 -governos, sociedade civil ou empresários- possam se manifestar.

"(Temos que ter) Capacidade de ouvir, ouvir com atenção para que nenhuma voz se sinta excluída", disse ele.

Questionada se o governo brasileiro teme um esvaziamento da Rio+20, a ministra do Meio Ambiente afirmou que o sentimento "é o contrário".

"Hoje ficou muito claro que há grande mobilização não só política dos países, mas também da sociedade", disse Izabella.

O grupo tem novo encontro no dia 8 de março. As sugestões da reunião serão então compiladas pela secretaria-executiva brasileira, que condensará um novo texto para encaminhar à ONU.

    Leia tudo sobre: rio+20conferêncianegociaçõesrio20

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG