Cientistas aperfeiçoam cristais que absorvem CO2

Eles esperam que a técnica leve à criação de energias mais limpas e à métodos de captura das emissões de gases do efeito estufa

Reuters |

Químicos da Coreia do Sul e dos Estados Unidos aperfeiçoaram o design de um tipo de cristal artificial, duplicando sua capacidade de absorção e armazenamento de dióxido de carbono.

As chamadas estruturas metal-orgânicas (MOF, na sigla em inglês) são cristais metálicos porosos e estáveis, capazes de absorver e comprimir gases em espaços ínfimos.

Os cientistas esperam que tais materiais levem à criação de energias mais limpas e a métodos para a captura das emissões de gases do efeito estufa.

Sob comando de Omar Yaghi, do Instituto de Nanossistemas da Califórnia, ligada à Universidade da Califórnia, Los Angeles, a equipe aperfeiçoou um cristal anterior chamado MOF-177, resultando em duas novas versões - MOF-200 e MOF-210 - capazes de armazenar o dobro do volume de gases.

"A porosidade é um caminho para fazer muito com pouco", disse Yaghi, professor de Química e Bioquímica, em nota.

"Em vez de ter apenas a superfície externa de uma partícula, vamos perfurar pequenos buracos para aumentar dramaticamente a área da superfície."

Os novos cristais foram descritos em um documento publicado no site da revista Science.
Jaheon Kim, professor de Química da Universidade Soongsil, de Seul, ajudou a projetar o MOF-210. Ele contou que 1 grama de MOF tem mais ou menos o tamanho de quatro tabletes de açúcar - ou seja, é um material levíssimo. Se espalhado, cada grama dos novos cristais ocuparia mais de 5.000 metros quadrados, disse Yaghi.

"Se eu pego um grama de MOF-200 e o desenrolo, ele vai cobrir muitos campos de futebol, e esse é o espaço que você tem para os gases se concentrarem", disse Yaghi. "É como mágica. Quarenta toneladas de MOF são iguais a toda a superfície da Califórnia."

    Leia tudo sobre: efeito estufacristalmeio ambienteCO2

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG