Cientista desmente números oficiais sobre vazamento no Golfo

Oceanógrafo da Universidade da Flórida afirma que cerca de 400 milhões de litros de petróleo ainda estão presentes no ecossistema

AFP |

Um pesquisador especialista em meio ambiente desmentiu nesta segunda-feira (27) as estimativas do governo americano sobre o vazamento em um poço da BP no Golfo do México, ressaltando que mais da metade do petróleo derramado permanecia nas águas.

Grande parte do petróleo derramado evaporou, foi incendiado ou recuperado na superfície, mas o restante, "mais de 50% do material derramado é duradouro, resistente a qualquer dissolução", afirma o oceanógrafo Ian MacDonald em um painel presidencial sobre o vazamento.

"A maior parte está agora enterrada em sedimentos litorâneos e marinhos", ressaltou MacDonald, que acrescentou que há "poucas evidências de que este material se deteriore antes de ser enterrado".

O cientista assegura que cerca de 2,5 milhões de barris de petróleo -cerca de 400 milhões de litros - ainda estavam presentes no frágil ecossistema, de um total de 4,9 milhões de barris derramados no Golfo.

A análise de MacDonald, um renomado especialista em meio ambiente da Universidade do Estado da Flórida, contrasta com as estatísticas divulgadas pelo governo americano, com as quais havia assegurado que cerca de 75% do petróleo derramado nessas águas havia desaparecido.

No início deste mês, autoridades anunciaram que o poço tinha sido definitivamente tapado, cinco meses depois da explosão da plataforma Deepwater Horizon da companhia britânica BP, que causou o vazamento.

    Leia tudo sobre: vazamentoBPGolfo do méxicopetróleomeio ambiente

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG