China anuncia que limpou vazamento de petróleo em Dalian

Governo chinês afirma que conseguiu limpar o vazamento causado pela explosão de um oleoduto na cidade portuária em nove dias

EFE |

Os trabalhos de limpeza nas águas afetadas pelas 1,5 mil toneladas de petróleo derramados no litoral de Dalian, noroeste da China, terminaram neste fim de semana, anunciou hoje o Ministério de Segurança Marítima em comunicado.

"Após 160 horas de trabalho intenso, foi possível eliminar o vazamento de petróleo no mar", assegurou o vice-prefeiro de Dalian, Dai Yulin. O próximo passo, segundo Dai, será estabelecer navios de vigilância marítima para "consolidar" os trabalhos de limpeza e "remediar os efeitos da mancha no litoral".

No entanto, o jornal local Dalian Daily publicou hoje que apesar do fim das tarefas de limpeza nas praias afetadas pela maré negra, parte da mancha continuava no mar.

Contatados pela Agência EFE, funcionários do Governo de Dalian disseram desconhecer se os trabalhos de limpeza tinham sido finalizados. No dia 16 de julho, o uso inadequado de um catalisador para acelerar a entrada do petróleo nos oleodutos próximos a Dalian, propriedade da Petrochina, filial da estatal China National Petroleum Corporation (CNPC), gerou uma explosão que provocou a maré negra.

O Governo chinês guarda silêncio desde meados da semana passada a respeito da quantidade de petróleo que vazou após a detonação. Os últimos dados oficiais, da quinta-feira passada, se limitam a indicar que o petróleo alcançou os 430 quilômetros quadrados de superfície nas águas do Mar Amarelo.

Mais de mil navios trabalham na extração do petróleo, entre eles 40 navios especializados na recolhida de óleo, os que foram acrescentados um contingente de 2 mil soldados do Exército de Libertação Popular (ELP).

O porto de Xingang, cenário do incêndio, retomou na sexta-feira passada parcialmente a descarga de petróleo. Dalian é a cidade portuária mais importante do nordeste da China, com mais de seis milhões de habitantes, e conta com o segundo maior porto de mercadorias do gigante asiático.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG