Chevron espera parecer da ANP para reiniciar perfuração

Empresa americana continua impedida de perfurar no campo de Frade, na Bacia de Campos, desde o vazamento de petróleo em novembro

AE |

selo

A Chevron aguarda as recomendações da Agência Nacional de Petróleo (ANP) para cumprir e assim ser autorizada a retomar as perfurações no campo de Frade, disse hoje o presidente da companhia para África e América Latina, Ali Moshiri. "Quando decidirem, vamos implementá-las rigorosamente", afirmou, após uma reunião com o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão.

Na terça-feira (13), a ANP informou que concluiu as investigações sobre o vazamento de óleo ocorrido em novembro . A diretora-geral da agência, Magda Chambriard, não entrou em detalhes sobre as conclusões, mas afirmou que diverge da Chevron quando às causas do acidente . O governo ainda não está convencido que as falhas estejam devidamente identificadas e os riscos, mitigados.

Leia também:
Chevron é multada em R$ 10 milhões por falha em sistema de emergência
PF indicia Chevron, Transocean e seus executivos por vazamento de óleo no Rio
MPF pede indenização de R$ 20 bilhões a Chevron
ANP identificou 10 infrações em campo da Chevron
"Chevron pode ser expulsa do Brasil", diz Lobão
Vazamento na Bacia de Campos pode ser 10 vezes pior que o divulgado


A diretora observou que ainda há um vazamento residual no local, embora o óleo esteja sendo recolhido. A petroleira segue produzindo no local, mas desde o acidente está proibida de fazer novas perfurações. Moshiri afirmou que a empresa tem trabalhado em parceria com a ANP para voltar às atividades normais. "De nossa parte, esperamos que seja o mais rápido possível", comentou. "Mas esperamos a decisão da ANP."

Pela avaliação da agência, porém, a autorização para novas perfurações da Chevron em Frade pode demorar meses. Ontem (13), a diretora-geral disse que foi solicitada à empresa a revisão de seu relatório sobre o acidente. "Todas as informações que eles pedirem, nós daremos", afirmou o executivo da Chevron. A punição da ANP à Chevron ainda não foi decidida, mas ela poderá vir na forma de multas e autuações. A empresa é alvo de três processos administrativos abertos pela agência. Magda assegurou que a empresa terá direito a ampla defesa.

    Leia tudo sobre: vazamento de petróleochevronrio de janeiro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG