Presidente da unidade brasileira da empresa diz considerar que a permanência de óleo na superfície do oceano é 'inaceitável'

selo

O presidente da unidade brasileira da petroleira Chevron Corp., George Buck, disse hoje que a companhia assume "total responsabilidade" pelo vazamento de óleo que ocorreu na Bacia de Campos. "Qualquer óleo na superfície do oceano é inaceitável para a Chevron", disse o executivo.

Leia também:
'Destino do petróleo que vaza no mar é loteria', diz especialista

PF diz que vai indiciar Chevron por dois crimes

Presidente da Chevron negou ter usado dispersantes químicos para retirar óleo vazado
AE
Presidente da Chevron negou ter usado dispersantes químicos para retirar óleo vazado
Segundo Buck, a companhia tampou o poço de avaliação, que foi a fonte primária do vazamento. O óleo chegou à superfície através de um buraco, após a parede de rocha do poço ter se rompido.

A Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP) estimou o vazamento entre 200 e 330 barris de petróleo por dia. Outras estimativas governamentais colocam o volume total do óleo vazado entre 5 mil e 8 mil barris.

O presidente da companhia norte-americana no Brasil disse ainda que a Chevron não utilizou dispersantes químicos na superfície do Oceano Atlântico , mas apenas métodos de dispersão e coleta mecânica do óleo vazado. Ele negou que a empresa tenha usado jatos de areia para limpar o óleo. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.