Chevron admite erro na avaliação e diz ter estancado vazamento dia 13

Empresa afirma que pode rever plano de contingência após o acidente

Raphael Gomide, iG Rio de Janeiro |

A Chevron admitiu na tarde desta segunda-feira (21) ter subestimado a pressão do poço que vazou no Campo de Frade e superestimado a resistência da rocha. Houve rompimento, que causou o vazamento de 2.400 barris de petróleo. A empresa promete estudar se houve erro.

Leia também:
Chevron afirma que volume do vazamento é de 2.400 barris de petróleo
ANP autuará Chevron com três multas

George Buck afirmou que a empresa estancou no domingo, 13 de novembro, a fonte do vazamento de petróleo no Campo de Frade, quatro dias após identificar onde ocorria, às 15h20 do dia 9.

A Chevron disse ter notificado a ANP (Agência Nacional de Petróleo) dentro do prazo de seis horas, até o meio da noite do mesmo dia.

Leia também:
Deputado quer convocar Chevron para explicar vazamento na Câmara
'Destino do petróleo que vaza no mar é loteria', diz especialista
PF vai indiciar Chevron por dois crimes ambientais
Chevron assume 'total responsabilidade' por vazamento
Vazamento está na rota de baleias e golfinhos, alerta secretário

    Leia tudo sobre: vazamentopetróleobacia de campos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG