Canadá tem ano mais quente da história em 2010, diz governo

Segundo agência ambiental canadense, a média nacional da temperatura ficou 3 graus Celsius acima do normal

Reuters |

Getty Images
Paisagem de Toronto durante o verão: calor foi sentido em todo o país, em especial no Ártico
O Canadá teve seu ano mais quente da história em 2010, de acordo com a agência ambiental do país, com impacto maior visto na região do Ártico.

A média nacional da temperatura no ano ficou 3 graus Celsius acima do normal, com base em dados preliminares, de acordo com um relatório publicado na segunda-feira pela Agência Ambiental do Canadá em seu site na Internet. É o ano mais quente desde que a medição nacional começou, em 1948.

A maioria das áreas do território de Nunavut e Québec, no norte, ficou no mínimo 4 graus Celsius acima do normal, enquanto a região do Ártico ficou 4,3 graus acima do limite.

Também foram registradas temperaturas recordes ao longo das regiões de tundra, montanhas e fiordes do Ártico, da floresta do nordeste e das áreas do Atlântico.

Cientistas atribuem as temperaturas elevadas no Ártico às emissões de gases do efeito estufa, vilões do aquecimento global, que está derretendo as geleiras, aumentando a possibilidade do tráfego marítimo intenso e da mineração na região impactada.

"O que estamos vendo é claramente uma tendência, e as mudanças no norte parecem se tornar permanentes", disse John Bennett, diretor-executivo do Sierra Club Canadá.

O último ano mais quente foi 1998, com 2,5 graus Celsius acima do normal, de acordo com os registros. As temperaturas anuais estão acima do normal desde 1997.

"Embora a temperatura irregular de um ano não seja prova de qualquer tendência a longo prazo, ter um ano muito mais quente que os anteriores é significativo", afirmou o porta-voz da agência canadense, Mark Johnson, em comunicado.

Uma área no sul das províncias de Alberta e Saskatchewan foi a única parte do Canadá com temperaturas próximas do normal no ano passado, mostraram os dados.

O governo canadense tem sido criticado por sua política ambiental que, segundo críticos, favorece os interesses das areias betuminosas de Alberta, a maior fonte de petróleo fora da Arábia Saudita.

Ambientalistas dizem que esse terreno é uma grande fonte de gases do efeito estufa e de lixo tóxico.

O novo ministro do Meio Ambiente, Peter Kent, recentemente provocou controvérsia ao caracterizar em entrevistas à imprensa o desenvolvimento de areias betuminosas como "ético".

    Leia tudo sobre: aquecimento global

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG