BP adia testes para fechamento de vazamento no Golfo do México

Empresa e Guarda Costeira americana alegaram que ainda é preciso realizar "análises adicionais"

BBC Brasil |

selo

A petroleira britânica BP adiou uma série de testes em um dispositivo para tentar interromper o vazamento de um poço de petróleo que ocorre desde abril no Golfo do México. A BP e a Guarda Costeira americana informaram que o procedimento requer "análises adicionais" antes de iniciar os testes, que deveriam ter começado nesta terça-feira.

No final de semana a companhia conseguiu colocar uma nova cápsula ou "tampa" no poço. O processo de testes para saber se esta nova cápsula poderá conter o vazamento deve durar entre seis e 48 horas, de acordo com o executivo da companhia Kent Wells. Se os testes de pressão forem bem-sucedidos, o poço da BP será mantido fechado e o vazamento contido até que a companhia consiga perfurar mais poços para interceptar e interromper o vazamento.

O plano da BP é que nenhum petróleo seja liberado do poço durante o processo de testes, mas a companhia permanece cautelosa. "O sistema de vedação nunca foi usado nesta profundidade antes ou nestas condições, e sua eficiência e habilidade para conter o petróleo e gás pode não ser garantida", afirmou a BP em uma declaração.

Sem promessas

O teste consiste em fechar três válvulas separadas que paralisariam o fluxo de petróleo para o Golfo do México. Se o teste realmente seguir como o planejado, será a primeira vez desde o início do vazamento, que começou em abril com a explosão da plataforma Deepwater Horizon, que o fluxo de petróleo será cortado. Durante estes testes a BP vai monitorar a pressão no poço. Se a pressão for alta, o petróleo terá sido contido.

Mas, se os testes mostrarem pressão baixa, poderá indicar que o petróleo está vazando em algum outro lugar do poço. Kent Wells afirma que não pode fazer promessas quanto ao funcionamento desta nova válvula. "Não é algo simples. O que não queremos fazer é especular", afirmou. Wells acrescentou que se for constatado que a pressão no local está baixa, a válvula não será fechada e os navios na superfície do Golfo do México continuarão coletando o petróleo do vazamento.

Solução temporária

O fechamento do poço com esta válvula seria uma solução temporária até que a BP consiga concluir os trabalhos nos poços para interromper o vazamento. O primeiro destes poços só deve ficar pronto na primeira quinzena de agosto. O vazamento de petróleo no Golfo do México é o pior desastre ambiental da história americana e permanece sem solução.

Desde a explosão da plataforma Deepwater Horizon, diversas estratégias para conter o fluxo de petróleo fracassaram. Na segunda-feira, entre 337 milhões e 666 milhões de litros de petróleo vazaram para o Golfo do México de acordo com estimativas do governo americano. A BP afirma que já gastou US$ 3,5 bilhões nas operações em resposta ao vazamento, desde a explosão da Deepwater Horizon.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG