Bolsas de embalagens de chocolate recicladas são premiadas pela ONU

O trabalho das artesãs mexicanas sustenta uma comunidade de quase 10 famílias e também uma escola infantil

EFE |

Artesãs mexicanas elaboram acessórios de design com embalagens desprezadas de chocolates e outros produtos, graças a um projeto premiado este mês pelas Nações Unidas, cuja renda sustenta uma comunidade de quase 100 famílias com poucos recursos e uma escola para crianças.

A Fundação Mitz ('para ti' na língua nahuátl) administra esta iniciativa, que conjuga o comércio justo e as energias renováveis com a contribuição de autossuficiência e educação em uma região desfavorecida de Huixquilucan, na periferia da capital mexicana, um município em que casas de luxo convivem com casas que não tem nem esgoto.

Recém-chegada de Ruanda, onde recebeu o prêmio da ONU de 'Melhor projeto reciclador de resíduos industriais' no dia 3 de junho, sua fundadora, Judith Achar, explicou o projeto à Agência Efe.

"Por um lado, tornamos as pessoas produtivas e responsáveis pelo seu desenvolvimento. E, por outro, nossa coluna vertebral é um processo ecológico e que respeita o planeta", declarou.

A Casa de los Niños de Palo Solo, uma das poucas escolas Montessori do México que atende a crianças com poucos recursos, foi construída há mais de 20 anos sobre um depósito de lixo.

As mães dos alunos, preocupadas com sua situação econômica e por não poder pagar a mensalidade, buscaram uma forma criativa de fornecer fundos à escola. E o lixo que um dia ocupou o terreno desta escola acabou sendo a resposta.

Uma velha técnica nahuátl para tecer folhas de palma, já aplicada a materiais de resíduos por mulheres da área, permitiu a Mitz reciclar 40 toneladas de resíduos industriais ao longo de sua história.

Cada mês saem de Huixquilucan entre duas mil e três mil bolsas, agendas, estojos para maquiagem, estojos e capas para móveis, cada vez mais vendidos nos Estados Unidos e vários países da Europa, onde o comércio justo, lembra Achar, "é muito aplaudido".

Os preços das peças variam entre os duzentos e os 1,8 mil pesos (entre US$ 15 e US$ 140).

"Os donativos e a caridade são bens finitos, e que dependam deles não encontrará um futuro. Por isso, as instituições sociais têm que ser co-participantes da geração de seus próprios recursos", refletiu.

Este princípio de auto-suficiência é o mesmo sobre o qual, com base nas doutrinas da educadora italiana María Montessori, foi construída a Casa de los Niños de Palo Solo.

Em suas salas de aula iluminadas, 250 crianças de todas as idades aprendem em um ambiente de respeito à individualidade, no qual cada um pode decidir, desde cedo, se prefere dedicar a manhã à geografia ou à matemática.

Uma criança descasca laranjas para o café da manhã e outro se esforça para limpar o vidro da porta da sala enquanto suas companheiras aprendem a tabuada com os ábacos desenhados por Montessori, tão coloridos como os produtos que suas mães tecem.

O valor das vendas dos acessórios retorna 100% à comunidade. A metade volta para as artesãs, 20% se destina à escola, outro tanto financia a manufatura e 10% custeiam as despesas da operação.

O impacto deste projeto chega a "muito mais pessoas do que as que estão registradas na cooperativa", explica Achar.

Alcança, por exemplo, às empresas que doam os resíduos (Mars, PepsiCo, Pedigree, Starbucks, entre outras), que adquirem responsabilidade social, e também os familiares das artesãs, que as apóiam a iniciativa a partir de suas casas.

"Se entrássemos pela tarde em suas casas, encontraríamos os pais, mães, maridos, avós e filhos trabalhando ao redor da mesa", assegura a criadora da iniciativa.

Por enquanto, as bolsa e os porta-moedas trançados forneceram 2,5 mil bolsas de estudos à escola, além de "dignidade", um valor que pinga em todas as salas de aula e que Achar quer que as crianças ensinem a suas famílias.

O responsável do Mitz quer que as doações aumentem mês a mês e, para isso, trabalha agora na comercialização destes produtos em lojas de aeroportos do México e na reprodução deste modelo em outras comunidades.

O som da aula de música chega à biblioteca da escola. Frente às estantes repletas de livros, um cartaz com a frase "O povo que lê é um povo rico".

    Leia tudo sobre: onureciclagem

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG