Governo do estado usará o dinheiro para recuperar e conservar áreas da Serra do Mar e unidades de conservação marinhas

selo

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o governo de São Paulo assinaram hoje contrato de financiamento no valor de US$ 162,5 milhões para a conservação e restauração do Parque Estadual da Serra do Mar, da Estação Ecológica Jureia-Itatins e de unidades de conservação marinhas e costeiras e de seu entorno. O objetivo é recuperar e conservar áreas da Mata Atlântica, como parte do Programa de Recuperação Socioambiental da Serra do Mar.

De acordo com o BID, este é o maior projeto que a instituição financiou para enfrentar passivos ambientais na América Latina. No Parque Estadual da Serra do Mar, maior trecho contínuo protegido da Mata Atlântica no Brasil, com uma área de 315 mil hectares, o objetivo será recuperar área degradadas em Cubatão (SP) e remover espécies vegetais e animais não nativas. Além disso, 6,7 mil famílias serão reassentadas e deixarão assentamentos não regulados ou ilegais no parque.

Na Estação Ecológica Jureia-Itatins, o programa prevê a construção de infraestrutura para proteção da área e o uso público do local e a regularização da propriedade de terras.

O empréstimo do BID corresponde a 34,5% do projeto e o restante dos recursos virá do Estado. O prazo do contrato é de 25 anos, com período de carência e desembolso de três anos e taxas de juros baseadas na Libor. O contrato foi assinado pelo representante do BID no Brasil, Fernando Carrillo-Flórez, e pelo governador de São Paulo, Alberto Goldman (PSDB).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.