A partir de julho de 2012, governo vai cobrar R$ 41,60 por tonelada de dióxido de carbono

Imposto será pago por 500 empresas consideradas as maiores poluidoras da Austrália
Getty Images
Imposto será pago por 500 empresas consideradas as maiores poluidoras da Austrália
O Senado da Austrália aprovou nesta terça-feira (8) um conjunto de leis para taxar as emissões de dióxido de carbono a partir de meados de 2012 para combater a mudança climática.

"É um momento histórico", disse pouco antes da votação a senadora e ministra de Finanças australiana, Penny Wong, enfatizando que o governo procura "garantir a prosperidade" da Austrália através de "uma economia diferente, uma forma de emprego diferente e a produção de energias limpas".

A partir do dia 1º de julho de 2012, o governo vai impor uma taxa de 23 dólares australianos (R$ 41,60 ) pela tonelada de dióxido de carbono.

Leia mais:
Austrália fixa imposto de US$ 23 por tonelada de emissão de CO 2
Empresa propõe reduzir emissões matando camelos
Emissões de CO2 da Austrália crescerão 25% até 2020
EUA: Fazendeiro cria minivacas para menos metano

  O imposto, que será pago por 500 empresas consideradas as maiores poluidoras da Austrália, aumentará gradualmente até julho de 2015, quando entrará em vigor um esquema de troca de emissões no qual o mercado regulará os preços.

Com 36 votos a favor e 32 contra foi aprovado o pacote de 18 leis denominado "Lei de Energia Limpa 2011", e ao ter o sinal verde sem nenhuma emenda será transformado em lei, segundo informou a agência de notícias local "AAP".

"É um dia verde, um daqueles que ressoará no tempo", disse o líder do Partido Verde, Bob Brown.

Por sua parte, a coalizão opositora prometeu derrubar a lei se vencer as próximas eleições, previstas para 2013.

O líder da oposição no Senado, Eric Abetz, declarou que esta medida se trata "da traição mais grosseira ao mandato eleitoral da história política australiana" e frisou que o imposto aumentará o custo de vida, além de não contribuir para a proteção do meio ambiente. E

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.