Ativistas pedem vigilância e punições contra caça a rinocerontes

Estimativas apontam que população de rinocerontes diminuiu 90% desde 1970

Reuters |

Getty Images
No ano passado, 448 rinocerontes foram abatidos só na África do Sul, um aumento de 33% em relação ao ano anterior
Maior vigilância e punições mais duras são necessárias para conter a caça predatória de rinocerontes na África, e o animal pode desaparecer da natureza até 2025 se as autoridades não tomarem providências, disseram conservacionistas na terça-feira.

Estima-se que a população mundial de rinocerontes tenha diminuído 90 por cento desde 1970. Restam na África cerca de 20.150 rinocerontes brancos, que estão quase ameaçados, e 4.840 rinocerontes negros, que estão criticamente ameaçados.

"Certamente chegamos a um ponto de inflexão nas populações de rinocerontes. Não há como nossas populações nacionais aguentarem o nível de caça", disse à Reuters o presidente da Associação de Proprietários Privados de Rinocerontes da África do Sul, Pelham Jones, durante uma cúpula conservacionista no Quênia.

Leia mais:
Caça na África do Sul pode exterminar rinoceronte até 2020
Filhos de Donald Trump são criticados por fotos de caça na África
Rinoceronte negro ocidental é declarado extinto
Rinoceronte javanês do Vietnã está extinto, diz WWF
Cientistas captam imagem de rinoceronte ameaçado de extinção
África do Sul pode legalizar a venda de chifres de rinoceronte

"O que tenho visto no passado são muitos políticos... solidamente enfiando suas cabeças na areia... A atitude de dizer que não há crise é uma declaração de alheamento. Há uma crise", disse Jones.

No ano passado, 448 rinocerontes foram abatidos só na África do Sul, um aumento de 33 por cento em relação ao ano anterior. Isso se deve à maior demanda dos países asiáticos, onde o chifre do rinoceronte é considerado uma cura para o câncer - algo sem base científica.

A África do Sul concentra mais de 90 por cento da população africana de rinocerontes.

O preço do chifre de rinoceronte atingiu mais de 50 mil dólares por quilo, superior à cotação do ouro, segundo participantes da cúpula promovida pela entidade Fundação Africana da Vida Selvagem.

    Leia tudo sobre: MUNDOAFRICARINOSPRESERVACAO

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG