Agricultores usam arsenal orgânico para combater pragas

Fazendeiros trocam os pesticidas por "safras-armadilhas", culturas que combatem insetos e pragas sem o uso de substâncias tóxicas

The New York Times |

The New York Times
Produção de morangos em Davenport, California. Alfafa é plantada perto dos morangos, para atrair pragas e evitar o uso de inseticidas


Mark Van Horn, diretor da fazenda dos estudantes na Universidade da Califórnia, parece quase perdido enquanto caminha por uma nuvem amarela de girassóis selvagens à beira de um campo de tomate e milho.

Eles não estão aqui por sua beleza ou como um plantio de venda – eles são, na verdade, uma importante estratégia de controle de pragas nesta fazenda orgânica.

Pesquisas locais sobre os girassóis selvagens, segundo Mark, mostram que eles são o lar de joaninhas e vespas parasitas, insetos bons que matam insetos ruins.

“O girassol nos ajuda a proporcionar casa e comida a insetos benéficos, mantendo-os ativos durante o ano todo”, disse Mark. “E os girassóis nativos são muito melhores para isso do que os domésticos. Existe uma biodiversidade de insetos muito maior nos girassóis selvagens”.

Enquanto o agricultor convencional possui uma gama de armas químicas para combater a invasão de ervas daninhas e pragas, o agricultor orgânico tem um caminho mais duro. Simplesmente não existem sprays orgânicos contra insetos que se comparem ao poder dos químicos sintéticos, e quase nada em desenvolvimento quanto a herbicidas orgânicos.

Em vez disso, há um entendimento cada vez maior, entre agricultores orgânicos, sobre maneiras de atrelar sistemas naturais como parte do que é chamado de gerenciamento integrado de pragas.

E há um pequeno brotar de novas pesquisas sobre técnicas de cultivo orgânico como resultado da lei de agricultura de 2008 nos EUA, que financia uma série de programas agrícolas num total de US$ 307 bilhões. Durante anos, essas pesquisas foram financiadas com US$ 3 milhões ao ano, e embora os novos fundos ainda sejam minúsculos se comparados às pesquisas da agricultura convencional, hoje são US$ 20 milhões anuais pelos próximos anos, podendo aumentar ainda mais. Em vez de cinco a sete bolsas de pesquisa por ano, agora são duas dúzias.

“Você não é mais considerado idiota por fazer este tipo de pesquisa, como ocorria na década de 1980”, disse Fred Kirschenmann, agricultor orgânico e membro distinto do Centro Leopold de Agricultura Sustentável em Iowa.

A pesquisa sobre ecossistemas de agricultura orgânica nos últimos anos obteve algumas descobertas importantes, e refinou as técnicas usadas pelos produtores orgânicos.

Um artigo publicado este ano na revista Nature confirmou o que os agricultores orgânicos suspeitavam há algum tempo – que a agricultura convencional pode agravar o problema das pragas. David Crowder, entomologista da Universidade Estadual de Washington e um autor do artigo, diz que se existem mais variedades de plantas ao redor do campo, e nenhum pesticida de amplo espectro, como ocorre na produção orgânica, isso promove o equilíbrio entre espécies de insetos – em vez de permitir que uma espécie domine a cena. “Existem mais inimigos naturais e eles fazem um trabalho muito melhor em controlar pragas em campos orgânicos”, afirmou Crowder.

Inimigos naturais são essenciais à abordagem orgânica. Eric Brennan é o único pesquisador orgânico em tempo integral do Departamento de Agricultura dos EUA, e ele trabalha em Salinas Valley, a chamada “tigela de salada da América”, de onde 80% do país recebe as folhas verdes de suas saladas. Uma das pragas mais difíceis é o afídeo da alface.

O tratamento preferido para a alface orgânica comercial é plantar uma flor ornamental, chamada alyssum, em meio à alface, tomando cerca de 5 a 10% do total da plantação. Moscas-de-flores vivem na alyssum, e precisam de uma fonte de afídeos para alimentar seus filhotes – e assim colocam seus ovos na alface. Quando nascem, as larvas começam a atacar os afídeos.

“Se você fosse um afídeo num pé de alface, uma larva de mosca-de-flor seria um pesadelo”, explicou Brennan. “Elas são vorazes comedoras de afídeos. Uma larva por planta consegue controlar os afídeos”. Brennan está estudando a configuração mais eficiente para a plantação dos campos de alfaces e alyssum.

Alguns produtores de morangos orgânicos usam “safras-armadilhas” para atrair insetos para fora de seu plantio comercial. Insetos do gênero Lygus causam a deformação dos frutos. Mas eles gostam mais de alfafa do que de morangos, então alguns produtores plantam uma fileira de alfafa para cada 50 fileiras de morangos. Conforme esses insetos se acumulam na alfafa, um grande aspirador de pó montado em um trator passa e puxa todos eles. Outros produtores simplesmente aspiram os insetos diretamente dos morangueiros.

Aumentar a vegetação nativa em campos de plantio pelo bem da biodiversidade não é algo livre de controvérsias. Após uma epidemia de E. coli em plantações de espinafre em 2006, alguns compradores de safras disseram aos agricultores que não comprariam de produtores cujos campos não estivessem limpos, pois as plantas poderiam abrigar roedores ou outros animais trazendo a doença. Apesar de uma falta de evidências científicas, segundo Brennan, alguns produtores desmataram a vegetação.

Nem todos os predadores são outros insetos. Rachel Long estudou morcegos e seu papel no gerenciamento de pragas no Vale Central da Califórnia por 15 anos. Produtores de peras, nozes e maçãs estavam combatendo uma espécie de mariposa. Estudando o DNA em partes não digeridas de fezes de morcego, ela descobriu que eles se alimentavam das mariposas e de outros insetos – o equivalente ao seu peso, todas as noites.

A fase seguinte, que levou oito anos, foi descobrir como atrair morcegos a casas de morcegos. “Os filhotes nascem sem pelos”, disse Long. “Então precisamos colocá-los onde eles recebam o sol matutino, ficando quentes de manhã, e sombra à tarde, de forma que não fique quente demais”.

"Há uma enorme demanda por morcegos no mundo agrícola”, explicou ela. “Eles comem toneladas de insetos. Eles também comem besouros de pepino e percevejos, que atacam tomates”.

Uma casa de morcegos precisa ser presa a uma estrutura como um celeiro ou uma ponte, segundo ela, e não montada sobre um poste. Falcões ficam esperando que os jovens morcegos saiam de uma casa, e se ela não for protegida, Long diz que os filhotes são capturados um a um.

Pesquisadores orgânicos também estão estudando o papel da fertilidade do solo no controle de pragas. Alguns estudos mostram que solos ricos em nutrientes podem aprimorar o sistema imunológico das plantas, e elevar sua resistência natural a insetos e pragas – ou proporcionar um lar para inimigos naturais. O solo orgânico em plantações de batatas estudadas por Crowder, por exemplo, possui níveis mais altos de um fungo que mata a larva do besouro da batata.

O uso de plantações intermediárias – plantar gramas e legumes que recuperam o nitrogênio entre as safras comerciais – pode fazer uma enorme diferença para o solo, segundo estudos de Brennan. “Se conseguirmos fazer os produtores plantarem uma safra intermediária a cada três anos, em vez de a cada 10, estaríamos bem mais avançados” em fertilidade de solo, disse ele. “É uma diferença gigantesca”.

Produtores orgânicos não são contrários à utilização de certos tipos de sprays químicos. Alguns deles – os chamados “aromas assassinos” – são feitos de óleos e águas essenciais de plantas de cheiro forte, como cravo-da-índia, menta e tomilho. Uma década de estudos no Canadá mostra que eles podem ser bastante eficientes em repelir e matar pragas – e são seguros, embora não fiquem ativos no ambiente por muito tempo e precisem de diversas aplicações.

Quanto às ervas daninhas em campos orgânicos, a maior ajuda também pode ser a plantação intermediária, com o centeio ou os feijões em favas. Muitas plantações intermediárias não são semeadas em intervalos curtos o bastante, afirmou Brennan. “Em vegetais onde a plantação intermediária é realizada no intervalo aceito, temos cinco vezes mais ervas daninhas”, disse ele. “Se aumentarmos o intervalo de plantio em três vezes, ficaremos praticamente livres dessa praga. Isso é extremamente importante, pois os produtores orgânicos não têm herbicidas”.

E prossegue a busca científica por uma mistura de sistemas que produza alimentos naturalmente e seja boa para a natureza além do campo de plantio. “Esse é o nosso cálice sagrado”, disse Van Horn. “Um sistema agrícola que imite um sistema natural”.

    Leia tudo sobre: agricultura orgânicaalimentação

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG