Caça ilegal aumenta no país e coloca animal em risco de extinção. A partir de abril, caçadas deverão ter supervisão de inspetores

No ano passado, 448 rinocerontes foram abatidos só na África do Sul, um aumento de 33 por cento em relação ao ano anterior
Getty Images
No ano passado, 448 rinocerontes foram abatidos só na África do Sul, um aumento de 33 por cento em relação ao ano anterior
A África do Sul vai endurecer sua lei sobre a caça legal de rinocerontes. Será obrigatória a presença de um inspetor ambiental "desde o início até ao fim" de cada caçada, informou nesta quinta-feira (5) o ministério do Meio Ambiente do país.

Leia: Ativistas pedem vigilância e punições contra caça a rinocerontes

A nova lei foi assinada em 30 de março pela ministra do Meio Ambiente, Edna Molewa, e será promulgada "em abril", disse Albi Modise, porta-voz do ministério.

Leia mais:
Caça na África do Sul pode exterminar rinoceronte até 2020
Filhos de Donald Trump são criticados por fotos de caça na África
Rinoceronte negro ocidental é declarado extinto
Rinoceronte javanês do Vietnã está extinto, diz WWF
Cientistas captam imagem de rinoceronte ameaçado de extinção
África do Sul pode legalizar a venda de chifres de rinoceronte

O objetivo das autoridades é dar credibilidade a um setor importante para a economia e turismo da África do Sul, mas que é também uma fonte de abusos, num momento em que o país verifica um aumento preocupante da caça ilegal .

Vários escândalos mancharam recentemente a imagem da caça legal, como a descoberta de redes que desviavam permissões obtidas legalmente com nomes falsos para contrabandear chifres de rinoceronte para a Ásia. Esta atividade era mascarada por se tratar de uma exportação de troféus de caça.

Com a nova regulamentação, "a caça de rinoceronte só pode ser realizada sob a supervisão de um agente de proteção da natureza, de preferência com a presença de um inspetor de gestão ambiental em cada província envolvida", informou o ministério.

De acordo com Modise, "o objetivo é proteger os rinocerontes e evitar qualquer disputa com relação ao sistema de" caça legal. "Queremos dar credibilidade ao sistema", disse.

A nova lei também prevê a entrega de uma amostra de DNA de cada chifre de rinoceronte, obtido como troféu, e a instalação de um pequeno dispositivo eletrônico para monitorar cada animal.

"Além disso, durante a apreciação dos pedidos de permissão para caçar, as autoridades devem verificar se o país de residência do caçador, onde os chifres e troféus serão exportados, possui legislação sobre o comércio de espécies ameaçadas de extinção", acrescentou o ministério.

As licenças de caça na África do Sul são emitidas pelas autoridades de cada província.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.