Tamanho do texto

Em 2017, mais de 300 baleias foram capturadas por meio de método de caça em que arpão é lançado com uma granada para causar hemorragia no animal

No ano passado, caças pra pesquisas científicas foram responsáveis pela morte de 333 baleias da espécie minke-antártica
Reprodução/Greenpeace
No ano passado, caças pra pesquisas científicas foram responsáveis pela morte de 333 baleias da espécie minke-antártica

Mais de 120 baleias grávidas foram mortas no Japão durante caçadas a fim de, supostamente, serem utilizadas para “fins científicos”. De acordo com informação do Daily Mail, os mamíferos foram retirados da água e mortos para servirem de “amostra biológica”, com o intuito de “investigar a estrutura e a dinâmica do ecossistema marinho antártico".

Leia também:Uso de células congeladas pode salvar rinoceronte-branco do norte da extinção

No ano passado, caças para pesquisas científicas foram responsáveis pela morte de 333 baleias da espécie minke-antártica ou minke-austral . Desse total, mais de 120 estavam grávidas, ou seja, 67%, enquanto que 114 foram mortas junto de seus filhotes.

Arpão com granadas mataram baleias com ‘explosão’

Os gigantes marinhos pertencentes à família dos cetáceos, da qual também fazem parte os golfinhos e os botos, foram capturados por meio de uma técnica de caça comum que consiste no lançamento de arpões com granada.

Leia também: Jurassic Park errou? Estudo tenta provar que pterossauro não voava como morcegos

O arpão penetra cerca de 30 centímetros na carne do animal antes de provocar uma explosão, que causa sua morte por hemorragia. A carcaça da baleia é içada ao navio, e pode ser processada para a obtenção de produtos de interesse econômico.

Vale mencionar que parte do processo de caça também consiste na perseguição da baleia, o que eleva grandemente seu nível de estresse e até mesmo desencadeia problemas cardíacos que podem levá-la a óbito antes da execução da armadilha.  

Apesar da condenação internacional da prática, o Japão permanece executando-as, principalmente com as baleias. A nação afirma que o conteúdo estomacal do mamífero é necessário "para identificar a composição e o consumo de presas". 

Segundo a mídia chinesa, a carne de baleia é extremamente requisitada, sendo vendida em grandes mercados de peixe do país.  

A gerente sênior da Humane Society International , Alexia Wellbelove, classificou os ataques como "uma estatística chocante e uma triste realidade acerca da crueldade da caça às baleias no Japão".

Leia também: Pescador encontra sacos plásticos em estômago de tubarão e faz alerta na web

"O que vem acontecendo com as nossas baleias é mais uma demonstração de crueldade e de práticas nocivas para o meio ambiente e para o ecossistema marinho. Pesquisas sem a morte de animais já podem ser executadas, e inclusive, se mostram tão eficientes quanto os métodos tradicionais", concluiu.