Com 45 anos, Sudan foi diagnosticado com uma segunda infecção na pata direita, após ter passado por tratamentos para combater problema em 2017

Veterinários afirmam que rinoceronte-branco Sudan tem recebido cuidados diários, mas que não apresenta melhora
Reprodução/Facebook Ol Pejeta
Veterinários afirmam que rinoceronte-branco Sudan tem recebido cuidados diários, mas que não apresenta melhora

Biólogos temem que as medidas adotadas para evitar a extinção dos rinocerontes-brancos do norte estejam perto do fim.  De acordo com o parque Ol Pejeta, localizado no Quênia, o último rinoceronte-branco macho do mundo está doente. Com 45 anos, Sudan foi diagnosticado com uma segunda infecção na pata direita, após ter passado por tratamentos para combater o mesmo problema no final do ano passado.

Leia também: Mulheres geram revolta ao rabiscar carcaça e fazer 'selfies' com baleia azul

A equipe do local onde o rinoceronte-branco vive desde 2009 informou que, apesar dos tratamentos veterinários oferecidos, Sudan não tem apresentado melhora. “A primeira infecção foi curada com sucesso. Porém, essa secundária não tem respondido ao tratamento com a mesma eficácia. Estamos muito preocupados devido à idade avançada, mas continuamos cuidando dele para recuperar sua saúde. Não queremos que Sudan sofra”, expuseram em um comunicado.

Projetos de emergência

Batizado com o nome de seu local de nascença, o rinoceronte foi capturado no Sudão do Sul em 1973, quando ainda era filhote. Enviado para o zoológico tcheco Dvůr Králové, foi transferido para o Ol Pejeta, onde vive com as fêmeas Najin e Fatu, que também são protegidas de caçadores que rondam a região.

Leia também: Alto nível de dióxido de carbono está derretendo criaturas marinhas na Escócia

Com os três animais, veterinários esperavam que a espécie pudesse se reproduzir, entretanto, Najin está muito velha e desenvolveu um problema na pata, que a impede de suportar o peso do macho, enquanto Fatu tem uma doença na uretra que eliminou suas chances de engravidar.

Atualmente, as expectativas para salvar a espécie da extinção estão voltadas para um projeto de reprodução in-vitro,  em que serão utilizados óvulos de ambas as fêmeas e o esperma de Sudan. Por meio do procedimento, pesquisadores esperam gerar embriões e depositá-los em fêmeas de rinocerontes-brancos do sul.

Leia também: Humanos poderão "comprar" a imortalidade a partir de 2050, diz especialista

Informações do jornal Metro evidenciam que, assim como o rinoceronte-branco do norte, os 20 mil rinocerontes do sul da África também estão vulneráveis à  caça furtiva para a retirada dos chifres, que são vendidos em mercados ilegais, principalmente na China e no Vietnã. A fim de protegê-los, biólogos e ativistas têm retomado operações de resgate iniciadas em 1950, com auxílio de campanhas para arrecadação de recursos.  Equipe do Ol Pejeta alega que o objetivo é levantar R$ 29 milhões para mantimento dos projetos ambientais.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.