Com filtro infravermelho, fotógrafo Eric Médard conseguiu flagrar os momentos mais íntimos da vida noturna dos bichos

BBC

O fotógrafo Eric Médard conseguiu flagrar os momentos mais íntimos do comportamento de animais noturnos em uma série de fotos com filtro infravermelho. Ele precisou de 25 anos para aperfeiçoar seu equipamento de infravermelho, com o qual geralmente trabalha em um bosque que fica perto da sua casa na França, onde ainda há muita "vida selvagem" para ser flagrada à noite.

"Muitos animais são mais ativos à noite. Mas é fato que é muito mais fácil fotografá-los durante o dia, porque à noite é como se você estivesse vendo somente a ponta do iceberg", diz Médard. 

"A vida norturna dos animais é algo que o público em geral e até alguns naturalistas conhecem muito pouco. As câmeras com infravermelho me permitiram desvendar alguns mistérios sobre o que os animais fazem, aonde eles vão e como se comportam no escuro."

O interesse de Médard pela fotografia noturna começou 28 anos atrás, quando fotografou um texugo usando filme preto e branco e um flash clássico. Texugos são noturnos e se esquivam fácil.

Leia também:
Zebras fogem e causam tumulto em ruas da Bélgica
Biólogos dão dicas para fotografar animais selvagens
Animais selvagens foram reduzidos pela metade desde 1970, diz relatório

"As configurações do meu flash infravermelho e a câmera à prova de som me permitem tirar as fotos sem que os animais percebam nada", conta Médard, exibindo um clique raro de um urso marrom europeu andando em uma floresta da Eslovênia.

"Para saber como e onde colocar as armadilhas, você precisa conhecer bem seu alvo. Se você conseguir prever o que o animal vai fazer e onde ou quando ele vai fazer, você não terá sucesso nessa mussão", prossegue ele. "Se o animal não está exatamente onde você esperava que ele estivesse, a câmera não vai flagrar nada."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.