Ararinhas-azuis nascidas na Alemanha chegam ao Brasil

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo o Ministério do Meio Ambiente, atualmente existem apenas 11 animais da espécie no País, todas em um criadouro no interior de São Paulo

Agência Brasil

Um casal de ararinhas-azuis, espécie considerada extinta na natureza, chegou nesta terça-feira (3) ao Brasil. Nascidas na Alemanha, as ararinhas, batizadas de Carla e Tiago, são filhas de uma fêmea brasileira e devem ajudar a aumentar a população dos pássaros dessa espécie, no Brasil.

De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, atualmente existem apenas 11 animais da espécie no país, todas vivendo em um criadouro no interior de São Paulo.

 Nascidas de uma fêmea brasileira, que foi levada ao país europeu para reprodução, as ararinhas foram batizadas de Carla e Tiago
ACTP/Divulgação
Nascidas de uma fêmea brasileira, que foi levada ao país europeu para reprodução, as ararinhas foram batizadas de Carla e Tiago


A iniciativa é uma parceria do governo brasileiro com a Agência Federal Alemã de Conservação da Natureza. A chegada das ararinhas ao país serviu para marcar o Dia Mundial da Vida Selvagem. Entre outros objetivos, a data promove a cooperação entre países para preservar espécies.

“Hoje é um dia emocionante para a conservação da biodiversidade do Brasil. É um dia ímpar dos esforços técnico-científicos. Viabilizamos o retorno da espécie símbolo do Brasil. Que, no futuro, ela possa ser colocada na natureza”, acrescentou a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira.

Os animais desembarcaram no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo. Em seguida, foram levados para um quaternário oficial do Ministério da Agricultura, onde permaneceram em observação por 15 dias. O próximo destino do casal será um criadouro científico da fauna silvestre para fins de conservação, no interior paulista.

“Nós temos fêmeas precisando de machos. Levamos para a Alemanha, fizemos todo o trabalho de reprodução e agora estamos trazendo Tiago e Carla de volta ao Brasil”, explicou a ministra.

Segundo ela, o objetivo é devolvê-los à natureza assim que o país atingir 150 animais da espécie. “A meta é, até 2020, estarmos testando e viabilizando a reinserção dessas espécies na natureza”, ressaltou Izabella Teixeira.

O habitat natural da ararinha-azul é a Caatinga, na área do município de Curuçá, no norte da Bahia. As aves só começam a se reproduzir após quatro anos de vida, quando entram na fase adulta. Somente cinco animais nascem a cada 12 meses.

Conforme a ministra, desde 2000 a espécie não é mais encontrada na natureza. Em razão disso, há uma cooperação entre o Brasil, o Catar e a Alemanha para viabilizar a reprodução dos animais em cativeiro.

Conheça 10 bichos que parecem ter sido 'pintados à mão' pela natureza

A vívida coloração facial do mandril masculino (o mamífero mais colorido no reino animal) é usada como manifestação de ameaça para os demais membros do grupo. Foto: Caters News AgencyAs secreções venenosas desta espécie de rãs são usadas por tribos indígenas para envenenar suas flechas para caça. A rã vive nas florestas tropicais do Brasil . Foto: Caters News AgencyO brilho metálico desta espécie de besouro o torna altamente valorizado por colecionadores de insetos. Foto: Caters News AgencyEsta espécie de vespa tem chamativos corpos brilhantes. Ela coloca seus ovos nos ninhos tubulares de uma espécie de abelhas, onde as larvas se alimentam das sobras
. Foto: Caters News AgencyAs lagartixas Tokay são comumente mantidas como animais de estimação, mas sua mordida feroz as torna potencialmente perigosas. Foto: Caters News AgencyEsta espécie de rã é encontrada na Colômbia. Aqui ela está sobre uma bromélia, planta capaz de armazenar água em sua estrutura. Foto: Caters News AgencyOs peixes dominam as águas do planeta com sua espantosa variedade de formas e comportamentos. O peixe-palhaço vive em uma relação simbiótica com a anêmona. Foto: Caters News AgencyOs camaleões são famosos por sua habilidade de mudar de cor, apesar de nem todas as espécies fazerem isso. Em algumas delas, a mudança de cor é usada para camuflagem. Foto: Caters News AgencyA "tromba" de formato estranho deste inseto era conhecida por sua suposta capacidade de gerar luz, mas isso vem sendo questionado por novos estudos. Foto: Caters News AgencyEste besouro tem escamas iridescentes, dando-lhe uma aparência metálica, brilhante e colorida. A espécie é herbívora e uma praga agrícola comum
. Foto: Caters News Agency


Leia tudo sobre: arara azulalemanha

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas