Países não chegam a acordo sobre o clima em conferência da ONU

Por iG São Paulo * | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Países como Índia e Brasil tentam fazer prevalecer princípio segundo o qual nações historicamente poluidoras devem arcar com principais custos para o combate ao aquecimento global

O evento estava programado para ser encerrado na sexta-feira (12). Mas, como já é de praxe em reuniões sobre o tema, os países participantes da 20ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP20) não chegaram um consenso até este sábado (13), após quase duas semanas de discussões em Lima, no Peru.

Reuters
Secretário da ONU Ban Ki-moon caminha com ministro do Meio Ambiente peruano, Manuel Vidal

Desde o dia 1º de dezembro, representantes de 195 países estão reunidos na capital peruana para a negociação de um novo acordo para combater o aquecimento global, cujas consequências vêm sendo há anos alardeada por cientistas, embora pouco tenha sido feito para impedi-las. O objetivo da conferência é definir compromissos para serem assinados pelas nações participantes em Paris, na França, em nova conferência no ano que vem.

Leia mais:
Conferência do clima está longe de acordo, segundo ONGs
Entraves entre norte e sul complicam acordo sobre o clima no Peru

Na sexta-feira (12), o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, fez forte discurso conclamando os países emergentes a aceitarem um pacote global de redução de emissões, enfatizando que o mundo se encaminha para uma "tragédia climática".

Entretanto, os mais eminentes emergentes – China, Índia e Brasil – discordaram de sua opinião, justificando que nações já desenvolvidas, como os EUA, são poluidoras históricas devido a um processo de industrialização pelo qual seus países ainda passam.

Veja como cidades pelo mundo têm lidado com as mudanças climáticas:

O prefeito Michael Bloomberg anunciou um plano ambicioso que beneficia bastante o sul de Manhattan (foto). Foto: Getty ImagesCidade holandesa estuda como "viver melhor" com inundações, com hidrovias e casas flutuáveis. Foto: Getty ImagesDhaka, em Bangladesh, é considerada uma das cidades mais vulneráveis às mudanças climáticas do mundo. Foto: Getty ImagesBarreira do Tâmisa e atitudes conscientes dos londrinos são a proteção de Londres. Foto: Getty ImagesONGs internacionais estão ajudando fazendeiros no Quênia a receber boletins meteorológicos por sms. Foto: Getty ImagesEnchentes de 2011 fizeram com que governo tailandês encomendasse sistemas de gestão de enchentes e água para Bangkok. Foto: Getty ImagesCidades do sul da Flórida como Miami estão colaborando entre si em um plano regional que inclui mais transporte público. Foto: Getty ImagesEstudo do governo cubano mostra que muitas cidades litorâneas como Varadero estão bastante vulneráveis . Foto: Getty ImagesPlano da nação-ilha inclui realocar moradores de locais mais vulneráveis. Foto: Getty ImagesBarreiras contra inundações vão custar mais de quatro bilhões de euros. Foto: Getty Images

Dois pesos, duas medidas
O argumento se foca em um princípio chamado "responsabilidades diferenciadas", estabelecido em um acordo assinado em conferência da ONU realizada no Rio de Janeiro 22 anos atrás, na ECO-92. Segundo o acordado, países mais desenvolvidos têm o dever de arcar com a maior parte dos custos de combate ao aquecimento global por serem os historicamente os maiores poluidores do planeta.

"Não estamos aqui para reescrever o acordo", afirmou à BBC o negociador-chefe do Brasil na COP 20, Antonio Marcondes de Carvalho, que viu os acordos ficarem mais distantes após muitos países solicitarem a mudança ao texto original, que previa o maior peso do combate às nações ricas. Ainda segundo a proposta defendida pelo Brasil, nações mais economicamente vulneráveis ficariam em um nível que não exigiria grandes ações, repassadas de forma consistente aos países desenvolvidos.

Leia também:
Planeta em 2013 está pior que em 2007, diz brasileiro que integra painel da ONU
Painel da ONU reforça consenso sobre ação humana em clima
Combate às mudanças climáticas não é danoso à economia, diz Dilma na ONU

"Somos a favor da transparência na discussão das propostas nacionais, mas não acreditamos que uma revisão das metas seja algo necessário", continuou Marcondes, representante do Brasil, o 12º maior poluidor do planeta em 2013, segundo a ONU, responsável pela emissão de 482 bilhões de toneladas de gases-estufa ao longo do ano.

Outros países a fazer forte oposição ao favorecimento às nações desenvolvidas são Índia, terceiro maior poluidor do mundo, e Rússia, que ocupa a quarta posição. Já a China supera os próprios EUA, o vice, no quesito poluição, ocupando a primeira colocação.

* Com informações da BBC

Leia tudo sobre: aquecimento global

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas