Incêndios ocultos na Amazônia desafiam cientistas

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Fenômeno de difícil percepção por satélites destruiu área equivalente a dois Espíritos Santos de 1999 a 2010, diz Nasa

BBC

De seu escritório no Centro Espacial Goddard, da Nasa, Douglas Morton analisa um fenômeno oculto e danoso na Amazônia.

Fevereiro: Alertas de desmatamento caem 19% na Amazônia Legal

Doug Morton
Incêndios rente ao solo são de difícil percepção por satélites

São incêndios rente ao solo, de baixa intensidade e expansão lenta - meio metro por minuto -, mas capazes de manter suas chamas acesas por semanas e destruir áreas consideráveis de selva.

O fogo de sub-bosque (a área mais próxima ao solo) destruiu mais de 85 mil quilômetros quadrados no sul da Amazônia entre 1999 e 2010, segundo a Nasa, o equivalente a quase duas vezes a área do Espírito Santo.

Esses incêndios são um desafio para Morton e seus colegas da agência espacial dos EUA, porque os satélites, usados para detectar chamas muito maiores e mais destrutivas, não identificam facilmente fogo tão próximo do chão.

"A razão por que (os incêndios) são considerados ocultos é que o fogo queima o sub-bosque e a folhagem das árvores bloqueia o sinal do satélite", disse Morton.

Da sede da Nasa no Estado de Maryland, ele combina suas análises remotas com dados recolhidos em visitas a áreas afetadas em países como o Brasil, para onde viaja constantemente.

O uso de satélites

Embora os satélites tenham dificuldade para detectar incêndios que ocorrem sob as copas das árvores, Morton depende deles, pois existem áreas da Amazônia que só são acessíveis com ajuda remota.

"(Esses dados) são realmente importantes para estudar a dinâmica do ecossistema da floresta amazônica", disse.

Para evitar as dificuldades impostas pelas restrições dos satélites, Morton e sua equipe estão recorrendo ao que a Nasa descreveu como "técnica inovadora": em vez de se concentrar em encontrar incêndios ocultos ativos, o que eles fazem é analisar os danos que eles deixam para trás e a recuperação posterior da área.

Assim, por exemplo, foi possível determinar que, em épocas de grande atividade de incêndios ocultos, como os de 2005, 2007 e 2010, a área de floresta afetada foi consideravelmente maior do que a área de desmatamento para a agricultura, de acordo com um estudo publicado no ano passado.

A análise também permitiu concluir que os riscos para esses incêndios são particularmente ligados às alterações climáticas: condições específicas de seca, por exemplo, são ideais para esses incêndios se espalharem por grandes áreas.

Por outro lado, os incêndios que estão ligados ao desmatamento, um dos principais problemas na Amazônia, são movidos mais por pressões econômicas, tais como o uso da terra para a agricultura.

"Obviamente, é importante saber onde há incêndios hoje, mas é a informação temporal que nos ajuda a fazer a investigação, a entender como as variações climáticas e as forças econômicas estão mudando os padrões de incêndios", disse.

No ano passado, o governo informou que o desmatamento da Amazônia brasileira aumentou 28% em 12 meses.

Morton tem viajado frequentemente ao Brasil para entender o fenômeno. Sua última viagem à região amazônica foi em 2012, ao Estado do Pará, onde realizou medições na floresta.

Ele diz que o objetivo de suas viagens é vincular o conhecimento local com as observações remotas dos satélites. Assim, espera estudar as variações no uso da terra, as mudanças climáticas e como as pressões econômicas - por exemplo, para a agricultura - estão afetando a atividade dos incêndios.

Leia tudo sobre: amazôniaincêndiodesmatamentonasa

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas