Aquecimento global danifica corais vitais para pequenos países-ilha, diz ONU

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Em algumas ilhas do Pacífico, o aumento no nível do mar foi até quatro vezes maior do que a média mundial, segundo o Pnuma

Reuters

O aquecimento global está causando trilhões de dólares em danos aos recifes de coral, agravando os riscos para os pequenos países insulares tropicais ameaçados pela elevação do nível do mar, afirma um relatório da ONU divulgado nesta quinta-feira (5).

Março: Impacto do aquecimento global será 'grave e irreversível', segundo ONU

Veja o que cidades têm feito para combater o aquecimento global

O prefeito Michael Bloomberg anunciou um plano ambicioso que beneficia bastante o sul de Manhattan (foto). Foto: Getty ImagesCidade holandesa estuda como "viver melhor" com inundações, com hidrovias e casas flutuáveis. Foto: Getty ImagesDhaka, em Bangladesh, é considerada uma das cidades mais vulneráveis às mudanças climáticas do mundo. Foto: Getty ImagesBarreira do Tâmisa e atitudes conscientes dos londrinos são a proteção de Londres. Foto: Getty ImagesONGs internacionais estão ajudando fazendeiros no Quênia a receber boletins meteorológicos por sms. Foto: Getty ImagesEnchentes de 2011 fizeram com que governo tailandês encomendasse sistemas de gestão de enchentes e água para Bangkok. Foto: Getty ImagesCidades do sul da Flórida como Miami estão colaborando entre si em um plano regional que inclui mais transporte público. Foto: Getty ImagesEstudo do governo cubano mostra que muitas cidades litorâneas como Varadero estão bastante vulneráveis . Foto: Getty ImagesPlano da nação-ilha inclui realocar moradores de locais mais vulneráveis. Foto: Getty ImagesBarreiras contra inundações vão custar mais de quatro bilhões de euros. Foto: Getty Images

Infográfico: Como ocorre o aquecimento global?

Para algumas ilhas do Pacífico Ocidental, o aumento do nível do mar foi quatro vezes maior que a média mundial, com elevação de 1,2 centímetro por ano de 1993 a 2012 devido a mudanças nos ventos e correntes, segundo o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Pnuma.

O estudo, divulgado para marcar o Dia Mundial do Meio Ambiente das Nações Unidas, em 5 de junho, assinala que o aquecimento das águas do Oceano Índico para o Caribe estava danificando recifes, matando os animais minúsculos que formam os corais.

"Estas 52 nações, lar de mais de 62 milhões de pessoas, emitem menos de 1 por cento dos gases de efeito estufa globais, mas elas sofrem desproporcionalmente com as mudanças climáticas que as emissões globais causam", disse Achim Steiner, o diretor-executivo do Pnuma.

"Algumas ilhas podem se tornar inabitáveis e outras enfrentam a perda potencial da totalidade de seus territórios", disse o estudo.

A perda dos corais está trazendo um prejuízo de trilhões de dólares por ano dos serviços proporcionados pela natureza, geralmente considerados gratuitos. Os corais são berçários para muitos tipos de peixes, eles ajudam a proteger as costas de tempestades e tsunamis e também atraem turistas.

2013: Cientistas contestam que aquecimento global tenha desacelerado

Ecossistemas

Um estudo no mês passado estimou que cada hectare dos recifes de coral do mundo presta serviços no valor de 350.000 dólares por ano. Uma perda de 34 milhões de hectares de corais desde o final da década de 1990 representa 11,9 trilhões de dólares por ano.

"Os corais provavelmente são os ecossistemas mais ameaçados do planeta", disse à Reuters Robert Costanza, da Universidade Nacional Australiana e principal autor do estudo.

O painel de cientistas do clima da ONU disse em março que havia sinais de alerta de que os corais de águas quentes já estavam experimentando mudanças "irreversíveis".

"Enfrentar a mudança climática é absolutamente vital para a sobrevivência dos pequenos países insulares ", disse Christiana Figueres, chefe do Secretariado de Mudança Climática da ONU, em entrevista coletiva.

O relatório também aponta que as pequenas ilhas poderiam aproveitar a abundante energia solar ou eólica para ajudar a reduzir a conta de importação de combustível, muitas vezes entre 5 e 20 por cento do produto interno bruto.

"Estamos fazendo o que podemos", disse o ministro do Meio Ambiente das Ilhas Marshall, Tony de Brum, apontando para planos de investimento em energia solar. As Ilhas Marshall possuem o maior santuário de tubarões do mundo.

Leia tudo sobre: meio ambientecoraismarshallsteineraquecimento global

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas