Após sacrificar girafa, zoológico de Copenhague defende abate de leões

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Quatro leões, entre eles dois filhotes, foram sacrificados para evitar riscos à espécie. Novos felinos chegarão ao zoológico

O Zoológico de Copenhague, na Dinamarca, defendeu nesta quarta-feira (26) sua decisão de sacrificar dois leões velhos e dois filhotes. De acordo com a instituição, há risco de endogamia - acasalamento entre indivíduos geneticamente semelhantes.

Fevereiro: Execução de girafa em zoológico causa polêmica na Dinamarca

AP
Pedaços da girafa Marius, abatida por zoológico de Copenhague, Dinamarca, é devorada por leões (fev./2014)


Revolta: Funcionários de zoo dinamarquês são ameaçados após execução de girafa

A decisão de sacrificar os animais colocou o zoológico novamente na mira dos ativistas que lutam pelos direitos dos animais. Em fevereiro, o zoo matou a girafa Marius, de 2 anos, para evitar consaguinidade na espécie e foi alvo de protestos internacionais e até ameaças de morte. Após o abate, a girafa foi dissecada em público e sua carne foi jogada aos leões.

Em um comunicado, o zoo disse que o sacrifício dos animais ajuda a preparar a jaula para a chegada de um novo macho, de aproximadamente 3 anos, afirmando que, caso contrário, o felino não seria aceito pelo leão de 16 anos.

"Além disso, não podíamos correr o risco de o leão macho acasalar com a fêmea, já que ela é muito velha e teria dificuldades com o nascimento e cuidados com um novo filhote", explicou a instituição.

Os filhotes entraram na lista porque não tinham idade suficiente para cuidar de si mesmos e seriam mortos pelo novo leão macho de qualquer maneira, disseram as autoridades do zoológico. Funcionários esperam que o novo macho e as duas fêmeas, nascidas em 2012, formem um novo núcleo saudável. Eles disseram que o abate "pode parecer duro, mas na natureza se faz necessário para garantir leões com maior chance de sobrevivência".

Dessa vez, o zoológico não planejou qualquer dissecação pública. Ainda assim, a morte desatou protestos em mídias sociais, incluindo uma petição online com cerca de 50 mil assinaturas nesta quarta, pedindo ao zoológico para parar de matar animais saudáveis​​.

A cada ano, milhares de animais são sacrificados por zoológicos europeus por uma série de razões. Os responsáveis pelas instituições afirmam que seu trabalho é manter a preservação da espécie, e não de animais individualmente.

*Com AP

Leia tudo sobre: zoologico copenhagueabateleaomariusgirafadinamarcaanimais

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas