Espanha inocenta capitão e governo por naufrágio que causou desastre ambiental

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Naufrágio aconteceu em 2002 e poluiu milhares de quilômetros do litoral com resíduos de combustível

Reuters

Um tribunal espanhol considerou nesta quarta-feira (13) que a tripulação de um navio e o governo não foram criminalmente culpados pelo naufrágio em 2002 do petroleiro Prestige, o pior desastre ambiental da história da Espanha.

Conheça a nova home do Último Segundo

AP
Voluntária usa as mãos para limpar petróleo originário do navio Prestige, em Muxia, Espanha, em 2002

O afundamento na costa noroeste do país poluiu milhares de quilômetros de litoral, principalmente na Espanha, com resíduos pretos de combustível, e forçou a paralisação das mais produtivas zonas de pesca do país.

Depois de uma investigação judicial de 11 anos, a mais alta corte da região da Galícia determinou em seu veredicto e sentença que o desastre foi parcialmente provocado devido ao mau estado de manutenção do cargueiro de 26 anos.

Mais: DNA de pessoas que limparam vazamento na Espanha foi alterado

Os três juízes disseram ser impossível estabelecer uma responsabilidade criminal e, portanto, o capitão Apostolos Mangouras, o engenheiro-chefe Nikolaos Argyropoulos e o ex-diretor da Marinha Mercante da Espanha José Luis López foram considerados inocentes da acusação de crime contra o meio ambiente. López era o único funcionário do governo entre os acusados no caso. Mangouras, de 78 anos, foi considerado culpado por um delito mais leve, de desobediência, e recebeu a pena de 9 meses de prisão, que foi suspensa.

Depois que uma tempestade danificou um dos tanques de combustível, o navio passou dias à deriva no mar, com 77 mil toneladas de combustível pesado a bordo. Autoridades espanholas, francesas e portuguesas recusaram permissão para atracar em seus portos.

Por fim, o petroleiro se partiu em dois e afundou a cerca de 250 milhas da costa, continuando a esparramar óleo na água. O capitão foi acusado de desobedecer as autoridades do governo, que queriam que o navio ficasse o mais longe possível da costa. A corte considerou que essa decisão governamental foi correta.

Leia tudo sobre: espanhadesastre ambientalnaufrágio

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas