Relatório climático da ONU diz que planeta está em 'alerta roxo'

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Cor alerta para um agravamento do risco de mudanças climáticas que afetam a natureza e humanos

Reuters

Thomas Lohnes/Getty Images
Crianças aproveitam para brincar em uma fonte de água em Frankfurt, Alemanha,. As temperaturas ficaram por volta de 30ºC neste mês de agosto


Algumas partes da natureza e da sociedade estão mais vulneráveis do que se esperava à mudança climática, segundo versão preliminar de um relatório da ONU que adota uma nova cor, o roxo, para mostrar o agravamento do risco além do nível vermelho usado até agora.

O texto diz que "sistemas ímpares e ameaçados", como os recifes de corais, espécies vegetais e animais sob risco de extinção, comunidades indígenas do Ártico, geleiras tropicais e pequenos Estados insulares, parecem menos capazes de se adaptar ao aquecimento do que se acreditava no relatório anterior, de 2007.

O esboço de 44 páginas do Sumário para Definidores de Políticas, redigido pelo Painel Intergovernamental sobre a Mudança Climática (IPCC), tem a data de março de 2013, e é parte de uma série de relatórios do IPCC atualizando informações de 2007 para orientar os governos nacionais.

A Reuters teve acesso a uma cópia do relatório, cuja versão final deverá ser lançada em março de 2014, no Japão, após sofrer várias alterações por especialistas. "Seria equivocado tirar conclusões a partir dele", disse Jonathan Lynn, porta-voz do secretariado do IPCC.

Seja como for, o esboço feito pelos principais climatologistas do mundo adota o roxo em um dos seus cinco diagramas, o que resume os riscos para comunidades humanas e a sistemas naturais. Esses diagramas são apelidados de "brasas", porque contém barras verticais cujo topo fica mais vermelho, refletindo uma escala em que as temperaturas médias do planeta sobem até 5ºC.

O novo roxo substituirá o vermelho por volta dos 2º C de elevação da temperatura em relação aos níveis atuais, indicando riscos extremos para muitos sistemas naturais e humanos sob ameaça.

Os outros quatro diagramas que mostram as principais "razões para preocupação" continuarão terminando no vermelho. O esboço diz que no geral não houve alterações significativas desde 2007 nos riscos nessas categorias -- riscos decorrentes de eventos climáticos extremos, difusão dos danos no planeta, custo geral da mudança climática e riscos de grandes mudanças, como um derretimento da capa de gelo da Groenlândia.

Quase 200 governos nacionais já concordaram em adotar até o final de 2015 um acordo que se destina a limitar o aquecimento global a 2ºC acima dos níveis pré-industriais. Já houve um aumento de 0,8ºC.

Leia também:

Mudança climática não pode ser desculpa para falta de ação contra enchentes, diz especialista

Climas extremos vão piorar com mudança climática, diz ONU

Mudança climática deve reduzir variedade de plantas e animais

Como ocorre o aquecimento global?

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas