Especialistas estão mais seguros que aquecimento global é causado pelo homem

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Novo relatório da ONU reafirma que causa é atividade humana mas diz que impacto é difícil de ser previsto

Reuters

AP
Pessoas se refrescam em uma fonte em frente ao campus da universidade do Arizona, EUA, em junho

Cientistas do clima estão cada vez mais seguros de que a atividade humana está causando o aquecimento global, segundo trechos de um importante relatório da ONU que será publicado em breve, mas estão achando mais difícil do que o esperado prever o impacto sobre determinadas regiões nas próximas décadas.

Infográfico: como acontece o aquecimento global

A incerteza é frustrante para estrategistas governamentais: o relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática (IPCC) é o principal guia para os países determinarem transferências de vários bilhões de dólares para energia renovável e investimentos para regiões costeiras considerarem mais defesas marítimas ou para agricultores desenvolverem variedades resistentes ao calor.

Rascunhos vistos pela Reuters de um estudo feito por um painel de especialistas da ONU, que deve ser publicado no mês que vem, dizem que é ao menos 95 por cento provável que a atividade humana --liderada pela queima de combustíveis fósseis-- seja a principal causa de aquecimento desde os anos 1950.

Leia também:
Fotógrafo capta derretimento de geleiras
Custo do degelo do Ártico será de 60 trilhões de dólares, afirmam cientistas
Aumento da temperatura aumenta probabilidade de guerras e conflitos
Veja como algumas cidades do mundo estão se preparando para o aquecimento global

Isso é mais do que os 90 por cento registrados no último relatório, em 2007, os 66 por cento em 2001 e os 50 por cento em 1995, reduzindo cada vez mais os argumentos de uma pequena minoria de cientistas que culpa as variações naturais do clima.

Isso muda o debate para a extensão dos aumentos de temperatura e para os prováveis impactos, dos quem podem ser gerenciados ao catastróficos. Os governos concordaram em trabalhar em um acordo internacional até o final de 2015 para controlar as emissões crescentes.

"Estamos um pouco mais certos de que a mudança climática... é largamente provocada pelo homem", disse Reto Knutti, professor no Instituto Federal Suíço de Tecnologia, em Zurique. "Temos menos certeza do que muitos esperariam sobre os impactos locais".

Também se mostra mais difícil medir como o aquecimento afetaria a natureza, de plantações a cardumes de peixes, já que vai muito além da física, segundo ele. "Não se pode escrever uma equação para uma árvore", disse.

O relatório do IPCC, o primeiro de três que serão lançados em 2013 e 2014, enfrentará intensa análise, principalmente depois que o painel admitiu um erro no estudo de 2007 que previu erroneamente que todas as geleiras do Himalaia poderiam derreter até 2035.

O novo estudo irá declarar com maior confiança do que o de 2007 que as crescentes emissões de gases do efeito estufa provocadas pelo homem já significam mais ondas de calor. Mas deve subestimar algumas descobertas de 2007, como a de que atividades humanas contribuíram para mais secas.

Quase 200 governos concordaram em tentar limitar o aquecimento global a 2 graus Celsius acima da época pré-industrial, visto como um limiar para mudanças perigosas, incluindo mais secas, extinções, enchentes e elevação do mar, que poderia inundar áreas costeiras e nações insulares.

O relatório vai levantar a bandeira sobre um alto risco de que as temperaturas globais aumentem neste século acima daquele nível, e dirá que provas do aumento dos níveis do mar agora são "inequívocas".

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas