Estudo afirma que a primeira refeição pode mudar a vida dos lagartos

Por The New York Times |

compartilhe

Tamanho do texto

A primeira refeição pode influenciar o número de filhotes que o lagarto terá no futuro

A primeira refeição ingerida pelos lagartos pode mudar suas vidas, influenciar em sua saída do local de nascimento e no número de filhotes de sua ninhada, de acordo com um novo estudo.

The New York Times/Chris Gash
Os lagartos que não foram alimentados em laboratório tiveram ninhadas menores, afirma estudo

"Um simples detalhe da vida pode fazer toda a diferença no destino de um animal", afirmou Manuel Massot, pesquisador da Universidade Pierre e Marie Curie, de Paris e um dos autores do estudo, publicado no periódico Current Biology.

Massot e Pedro Aragón, do Museu Nacional de Ciências Naturais, de Madri, estudaram a Zootoca vivipara, espécie que, ao contrário da maioria dos outros lagartos, não deposita ovos.

Eles capturaram 120 lagartas fecundadas do Parque Nacional de Cévennes, no sul da França, para estudar em laboratório. Após o nascimento, os filhotes das lagartas foram soltos no parque. Metade recebeu a primeira refeição no laboratório e os outros tiveram que sair em busca do próprio alimento. Em seguida, os lagartos foram estudados durante 2 anos.

Os lagartos que foram alimentados no laboratório estavam menos propensos a se moverem do local em que foram soltos e também eram mais difíceis de capturar. Curiosamente, dois anos depois, os lagartos que não receberam a refeição tiveram ninhadas maiores.

Este tipo de resposta intensa a um evento aparentemente pequeno é conhecido como repercussão fenotípica e provavelmente é mais comum no início da vida, afirmou Massot.

Ele suspeita que outros animais, incluindo os humanos talvez sejam afetados de forma semelhante por eventos pequenos.

Leia tudo sobre: ciênciameio ambientelagartosreprodução

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas