Obama prepara regra para limitar emissões de usinas elétricas

Por NYT * |

compartilhe

Tamanho do texto

Republicanos criticam política climática de Obama, dizendo que ela está emperrando o crescimento econômico

NYT

O presidente Obama está preparando normas para limitar as emissões de dióxido de carbono das usinas elétricas do país. Se confirmada, a medida será o maior passo contra o aquecimento global de seu governo e provavelmente levará a disputas legais com as indústrias e os republicanos.

No país, as usinas de eletricidade são a maior fonte da poluição que provoca o aquecimento; elas são responsáveis por quase 40% das emissões de gases do efeito estufa.

Leia mais: Emissões de CO2 elevam acidez de mares árticos

Como o amplo projeto de lei sobre o clima está efetivamente morto no Congresso, a decisão sobre as usinas existentes está sendo uma das mais aguardadas no segundo mandato de Obama.

O governo já restringe as emissões de qualquer nova produtora de eletricidade, mas impor padrões de emissão para as já existentes é bem mais custoso e polêmico. O presidente deve lançar a medida em breve, porque as regras são complexas e levarão anos para serem plenamente cumpridas.

Heather Zichal, coordenadora para energia e mudança climática da Casa Branca, disse nesta quarta-feira que Obama anunciará a nova política nas próximas semanas. Segundo ela, nenhuma das iniciativas sendo consideradas exigem aprovação ou formas de financiamento do legislativo.

Em um discurso em Berlim na quarta-feira, Obama voltou a fazer declarações assertivas sobre o política climática, uma fala que ambientalistas criticam por ir muito além de suas ações de fato. Ele disse que os Estados Unidos e o mundo têm uma obrigação moral de tomar “amplas medidas” para desacelerar o aquecimento do planeta.

“A alternativa terrível afeta todas as nações – tempestades mais severas, mais fome e enchentes, novas ondas de refugiados, regiões costeiras sumindo, oceanos se elevando. Essa é a ameaça global de nossa época”, afirmou.

Republicanos criticam a política climática de Obama, dizendo que ela está emperrando o crescimento econômico. Alguns democratas também se preocupam que os novos padrões para as usinas elétricas possam deter o crescimento do emprego e aumentar os custos da energia, especialmente em regiões industriais como o Meio-Oeste, que depende da energia barata do carvão.

Mas funcionários do governo dizem que Obama concluiu que os riscos da mudança climática são mais importantes do que os potenciais custos econômicos e políticos. “Ele fala sério sobre fazer do assunto uma prioridade do segundo mandado. Será o seu legado”, disse Heather.

Heather sugeriu que o governo deve usar a nova autoridade dada à Agência de Proteção Ambietal (EPA) para determinar o corte da poluição das usinas. Uma decisão da Suprema Corte de 2007 deu à EPA a autoridade para regular a emissão de gases do efeito estufa, e a agência já faz isso para veículos.

Ambientalistas dizem que regular a poluição as usinas de energia dever ser uma medida central em qualquer política climática séria.

“Nada possível de ser feito cortará mais as emissões de gases estufa do que isso”, disse Daniel F. Becker, diretor da ONG Safe Climate Campaign.

A administração Obama vem discretamente juntando uma série de medidas contra o aquecimento global para que o presidente as anuncie em breve, cumprindo assim as promessas dos seus discursos de posse e do Estado da União.

Veja no infográfico: Como ocorre o aquecimento global?

Denis McDonough, chefe de equipe da Casa Branca, tem se encontrado regularmente com vários secretários para adaptar propostas sobre a mudança climática de forma que as medidas não necessitem de aprovação do Congresso.

Para o próximo discurso de Obama sobre o clima, também se espera que anuncie medidas do Departamento de Energia para tornar equipamentos industriais mais eficientes e reduzir os gastos de energia em prédios públicos e privados.

* Por Jonh Broder

Leia mais notícias de Meio Ambiente


Leia tudo sobre: ciênciameio ambienteemissão de gasesobamaplanoeuausinas elétricas

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas