Expansão sobre a Amazônia pode ser prejudicial para a agricultura também

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Pesquisadores brasileiros afirmam que substituição de floresta por pasto e plantação além de ter consequências ambientais, pode ser considerada um tiro no pé dos produtores

Agência Estado

Getty Images
Foto tirada no Pará, em junho de 2012, mostra antiga área de floresta devastada por plantação de soja

A substituição da Floresta Amazônica por pastos e plantação de soja no processo de expansão agrícola pode ser prejudicial não só para o ambiente como um tiro no pé da própria agricultura. Quanto mais ela se expandir sobre a floresta, menos produtiva será. Essa é a conclusão de um trabalho publicado nesta sexta-feira (10) por pesquisadores brasileiros e um americano, que investigaram o delicado equilíbrio entre floresta e o clima da região e como o desmatamento pode afetá-lo.

Veja como ocorre o aquecimento global

Os pesquisadores trabalharam com o princípio de que a floresta controla o regime climático da região. Assim, até 2050, com o desmatamento, é esperada uma redução no volume de chuvas. Aliada ao processo de aquecimento global, pode resultar em uma diminuição da produtividade de soja e pasto.

Leia também:
Ambientalistas tentam minimizar impacto da expansão da soja
Cresce área plantada com soja no bioma Amazônia
Consumo de commodities ameaça animais em países em desenvolvimento
Desmatamento na Amazônia cai para 175 km² entre março e abril

A equipe das universidades federais de Viçosa, do Pampa, de Minas e Centro de Pesquisa Woods Hole estimou que essa estiagem pode reduzir a produtividade da pastagens de 30% a 34%. Já a elevação da temperatura pode provocar uma redução no plantio de soja - de 24%, no melhor cenário, a 28%, no pior. O número varia porque foram considerados dois cenários - um em que a legislação ambiental é implementada e o governo é atuante, e outro com desmatamento intenso, semelhante ao que ocorria entre os anos 2000 e 2004, quando a taxa anual bateu em 27%.

Os efeitos podem ser mais sentidos nas regiões leste do Pará e no norte do Mato Grosso, onde as mudanças na cobertura da terra poderiam afetar dramaticamente o clima local, ao ponto em que a agricultura se torne inviável, afirmam os autores. "Já sabíamos que, com o desmatamento, alguns serviços ambientais desempenhados pela floresta, como a regulação climática, seriam reduzidos. Mas em compensação poderíamos ter uma grande produção agrícola regional. Demonstramos que, para níveis elevados de desmatamento, o serviço de regulação climática cai tanto que afeta significativamente a produtividade agrícola, ou seja, você perde os serviços prestados pela floresta e não ganha a produção agrícola", afirma Marcos Costa, de Viçosa. A pesquisa sai hoje na revista americana Environmental Research Letters. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia tudo sobre: sojapecuáriaagriculturadesmatamentoamazôniamudanças climáticas

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas