Cidade europeia que transforma lixo em energia lida com falta de matéria prima

Por The New York Times |

compartilhe

Tamanho do texto

Oslo, na Noruega, precisa importar lixo para abastecer sua usina e gerar eletricidade. Em todo o norte da Europa, a demanda é muito maior que a oferta

The New York Times
Lixo em usina de geração de energia de Oslo, na Noruega: cidade precisa importar dejetos de outros países

A cidade de Oslo, Noruega, importa lixo. Ele é trazido da Inglaterra e da Irlanda, mas também da Suécia e de outros países da região. A cidade chega a ter planos para importar lixo do mercado americano.

"Eu gostaria de importar lixo dos Estados Unidos", disse Pal Mikkelsen, em seu escritório em uma grande fábrica na periferia da cidade que transforma lixo em aquecimento e eletricidade. "O transporte marítimo é mais barato."

Veja o infográfico: a cidade ideal 

Oslo, uma cidade que aposta na reciclagem, onde cerca de metade da cidade e a maioria de suas escolas são aquecidas através da queima de lixo - lixo doméstico, resíduos industriais, até mesmo resíduos tóxicos e perigosos provenientes de hospitais e apreendimentos de drogas - tem um problema: ela está, literalmente, com falta de lixo para queimar.

O problema não é exclusivo de Oslo, uma cidade de 1,4 milhões de habitantes. Em todo o norte da Europa, onde a prática de queimar lixo para gerar calor e eletricidade aumentou drasticamente nas últimas décadas, a demanda por lixo é muito superior à oferta. "O norte da Europa tem uma enorme capacidade de geração", disse Mikkelsen, 50, um engenheiro mecânico no ano passado foi o diretor da agência responsável por transformar lixo em energia.

Mapa: pontos de coleta seletiva em São Paulo 

No entanto, a população exigente do norte da Europa produz apenas cerca de 150 milhões de toneladas de resíduos por ano, disse ele, muito pouco para abastecer e incinerar plantas que possam lidar com mais de 700 milhões de toneladas. "E os suecos continuam construindo" mais plantas, disse ele, com uma expressão de desespero no rosto, “assim como a Áustria e a Alemanha."

A maioria das pessoas aprova a ideia. "Sim, absolutamente", disse Terje Worren, 36, um consultor de software, que admitiu gerar aquecimento para sua própria casa com combustível e aquecer sua água com eletricidade. "É uma ótima maneira de reutilizar o lixo."

Para alguns, pode parecer bizarro que Oslo iria recorrer à importação de lixo para produzir energia. A Noruega está classificada entre os 10 maiores exportadores mundiais de petróleo e gás, e tem abundantes reservas de carvão e uma rede de mais de 1,100 usinas hidrelétricas em suas montanhas ricas em água. No entanto, disse Mikkelsen, a queima de lixo foi "uma estratégia de utilizar energia renovável, para reduzir o uso de combustíveis fósseis."

Leia também:
Catadores do Cairo usam o lixo para conseguir luz e água quente
Família britânica produziu apenas uma sacola de lixo em 2010
Dejetos são usados para produção de energia
Alquimista consegue transformar plástico em petróleo

É claro que outras regiões da Europa estão produzindo grandes quantidades de lixo, incluindo o sul da Itália, onde cidades como Nápoles contratou cidades na Alemanha e na Holanda para aceitarem seu lixo, ajudando a neutralizar a crise do lixo napolitano. Apesar de Oslo ter considerado aceitar o lixo italiano, preferiu ficar com o que disse ser o lixo inglês, limpo e seguro. "É uma questão sensível", disse Mikkelsen.

Ainda assim, nem todo mundo se sente confortável com a proposta de acumular lixo. "De um ponto de vista ambiental, é um problema enorme", disse Lars Haltbrekken, o presidente do mais antigo grupo ambientalista da Noruega, uma afiliada da Amigos da Terra. "Existe uma pressão para produzir mais e mais lixo, porém só enquanto exista essa demanda."

Em uma hierarquia de objetivos ambientais, Haltbrekken disse que produzir menos lixo deveria ficar em primeiro lugar, enquanto gerar energia a partir do lixo deveria ficar em último lugar . "O problema é que nossa menor prioridade entra em com nosso principal objetivo ", disse ele.

"Então, agora nós importamos lixo de Buenos Aires e outros lugares, e também conversamos a respeito da possibilidade de importar lixo de Nápoles", acrescentou. "Nós dissemos, 'OK, pelo menos nós estamos ajudando os napolitanos, ' mas isso não é uma estratégia de longo prazo."

De acordo com urbanistas, talvez não, mas por enquanto é uma necessidade. "A reciclagem e recuperação de energia têm que andar de mãos dadas", disse Rooth Olbergsveen, da agência de recuperação de resíduos da cidade. Reciclagem tem feito progressos, disse ela, e a separação de lixo orgânico, como restos de alimentos, está permitindo que Oslo produza biogás, que está agora alimentando alguns ônibus no centro de Oslo.

Haltbrekken reconheceu que ele não se beneficia da energia gerada pelo lixo. Sua casa, perto do centro da cidade, construída por volta de 1890, é aquecida pela queima de pedaços de madeira, e sua água é aquecida eletricamente. Em geral, segundo ele, a Amigos da Terra, apoia as metas ambientais da cidade.

No entanto, ele acrescentou: "A curto prazo, é claro, é melhor queimar o lixo em Oslo do que deixá-lo em Leeds e Bristol."

Mas, "a longo prazo", disse ele, "não".

Leia tudo sobre: lixooslonoruegageração de energia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas