Caçadores de macacos voltam a agir em parque estadual de São Paulo

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Grupo caçou macaco-prego e aves silvestre no Parque Estadual Nascentes do Paranapanema, em Capão Bonito

Agência Estado

Um macaco-prego limpo e pronto para consumo e outros animais e aves da fauna silvestre foram apreendidos num acampamento de caçadores descoberto neste sábado (30) pela Polícia Ambiental no interior do Parque Estadual Nascentes do Paranapanema, em Capão Bonito, sudoeste paulista. Além do macaco, tinham sido abatidos um tatu e aves, como macuco, araponga e tucanos, todas ameaçadas de extinção. As pessoas que estavam no local, de difícil acesso, fugiram com a chegada da polícia. Os ambientais apreenderam uma espingarda calibre 36, munição e apetrechos de caça, como apitos e armadilhas. O barraco usado pelos caçadores estava equipado com fogão e tralha de cozinha.

Leia também: Fauna encolhe mais que o esperado em fragmentos da Mata Atlântica

Criado no ano passado, o parque tem 22 mil hectares e completa um maciço de Mata Atlântica formado pelos parques estaduais Carlos Botelho, Intervales e Petar - Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira -, com cerca de 200 mil hectares. A região abriga espécies de primatas cuja carne é apreciada por sertanejos da região. No ano passado, a Polícia Ambiental apreendeu dois exemplares de bugio e um mono-carvoeiro abatidos por caçadores no entorno dos parques. O mono, ou muriqui, considerado o maior primata das Américas, está fortemente ameaçado de extinção.

Leia tudo sobre: mata atlânticamacaco-pregocaça ilegal

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas