BP pede fim de indenização por vazamento no Golfo do México

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Companhia pede adiamento no pagamento das indenizações até que se chegue a uma conclusão sobre a forma como foi calculado o prejuízo para os negócios locais

Agência Estado

Getty Images
Gaivota coberta por óleo após acidente na plataforma de petróleo no Golfo do México. East Grand Terre, Louisiana, 4 de junho de 2010

A British Petroleum (BP) apresentou moção em um tribunal federal nos Estados Unidos nesta sexta-feira (15) para tentar adiar o pagamento de indenizações referentes ao vazamento de petróleo ocorrido em 2010, no Golfo do México. A companhia pede adiamento até que se chegue a uma resolução em sua disputa para revisão da forma de cálculo da indenização a empresas que alegam danos por causa do vazamento.

Leia mais: EUA planejam oferecer acordo à BP sobre vazamento, diz jornal

A BP disse, em seu pedido de liminar, que houve má interpretação de um acordo que rege os pagamentos a milhares de requerentes, muitos deles pescadores, hoteleiros e donos de restaurantes, que dizem que seus negócios foram prejudicados pelo derramamento de petróleo após a plataforma Deepwater Horizon explodir no golfo.

O resultado, diz a BP, são "somas significativas e crescentes de dinheiro para milhares de requerentes com perdas fictícias". "Isso simplesmente não é o que as partes negociaram ou o que este tribunal aprovou", a BP escreveu.

A empresa diz que já gastou mais de US$ 24 bilhões com custos de limpeza e restauração, além de pagamentos a empresas, governos e reclamantes individuais relativos ao acidente que matou 11 pessoas e deu início ao pior vazamento de óleo da história dos EUA.

Entenda as consequências do vazamento no Golfo do México:
Estudos indicam danos e recuperações no Golfo do México
Governo dos EUA anuncia plano de recuperação do Golfo do México
Estudo revela que petróleo da BP entrou na cadeia alimentar
Bactérias marinhas têm potencial para digerir petróleo
Cientistas encontram corais mortos perto do poço da BP

Na moção, feita à corte distrital de Louisiana (EUA), a BP questiona a forma como foi calculado o prejuízo para os negócios locais em função do vazamento de petróleo. "Dois terços de todas as indenizações acima de US$ 75 mil são baseadas em dados falhos", disse a BP em sua apresentação. A BP afirmou ainda que vai continuar a pagar "a grande maioria" dos outros tipos de reivindicações, mesmo que o tribunal aceite seu pedido.

O administrador de um comitê que reúne os afetados pelo vazamento disse que a BP já tinha concordado em como o comitê calcularia quanto a empresa deveria pagar aos reclamantes e que só agora, quando os números acabaram maiores do que a BP tinha esperado, passou a contestar o cálculo.

"Dito de forma simples, a BP subavaliou o acordo e subestimou o número de pessoas e empresas que se qualificam sob as fórmulas objetivas com as quais a BP concordou", disseram os advogados que representam o comitê, em um comunicado.

Em seu relatório anual, apresentado em março, a BP disse que não poderia mais dar uma estimativa confiável para o custo total do acordo que a empresa fechou, no ano passado, com o comitê dos queixosos, mas afirmou que o valor vai ser significativamente acima de US$ 7,7 bilhões. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: bpvazamentopetróleogolfo do méxicocrime ambiental

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas