Decisões sobre espécies ameaçadas passam por nova consideração

Por The New York Times |

compartilhe

Tamanho do texto

Revisão de lei de 1973 dos Estados Unidos finalmente inclui animais que estão ameaçados há mais de vinte anos

Matthew Ryan Williams/The New York Times
Rã manchada do Oregon: uma espera de 22 anos por proteção

Talvez possa não parecer motivo de comemoração que a rã manchada de Oregon, um anfíbio de 10 centímetros de comprimento que prefere pântanos do Noroeste do Pacífico, será considerado uma espécie em extinção.

Diga isso para a rã. Ela esteve aguardando há 22 anos - desde 1991 – por esta decisão.

A cascavel do leste de Massasauga tem sido uma candidata para a proteção desde 1982. Assim como ela, a borboleta Dakota, um inseto que bate suas asas anormalmente rápido (para uma borboleta) sobre as pradarias da Minnesota e Dakota, está morrendo à medida que construções encolhem seu habitat. No entanto, sua candidatura para proteção tem sido adiada desde 1975.

Tardiamente, o Departamento do Interior para Vida Selvagem e Marinha dos Estados Unidos está dando a todas estas espécies- e mais 258 – um sim ou não, para a proteção sob a Lei das Espécies Ameaçadas, de 1973, que esteve entre os triunfos iniciais do movimento ambiental.

É evidência dos inoportunos da lei que fizeram com que um juiz federal fizesse alguma coisa para mudar a situação.

Leia:
Desaparecimento de espécies na Amazônia brasileira ainda está por vir
Sociedade britânica divulga lista das 100 espécies mais ameaçadas de extinção
Ao menos 70% das espécies da Terra são desconhecidas

Foi a atividade mais controvérsia realizada para a vida selvagem em perigo em duas décadas, uma façanha improvável diante de ataques ferozes de críticos conservadores e uma economia com pouco dinheiro de sobra para frivolidades ambientais.

O Serviço da Vida Selvagem, responsável pela maioria das 1.400 espécies na lista de ameaçadas de extinção, enxerga a mudança como uma oportunidade de voltar à sua missão.

"Conseguimos o que queríamos através das negociações: para realmente reduzir o litígio para que pudéssemos ter mais controle sobre as nossas prioridades e concentrar nossos recursos limitados sobre as espécies que mais precisam de atenção ", disse Gary Frazer, que administra a unidade de espécies ameaçadas da agência. "Nós definitivamente enxergamos isso como uma coisa positiva."

As centenas de candidatos na lista esperaram "muito tempo" para sua consideração final, ele disse.

Os céticos podem se perguntar se qualquer espécie que pode esperar décadas para ser considerada na lista, de fato já esteve ameaçada. A resposta, de acordo com especialistas, é que algumas não estiveram ameaçadas, e é provável que o serviço de vida selvagem retire algumas da lista após a re-avaliação. Mas a maior parte delas estão em declínio e não terão como se recuperar sem ajuda externa.

"A extinção não é um evento. É um processo ", disse Patrick A. Parenteau, especialista em Direito na Faculdade de Direito de Vermont, em South Royalton. Habitats lentamente encolhem, populações diminuem, há um aumento na endogamia e uma espécie enfraquece até que alguma força externa - uma tempestade, um incêndio , um período de seca – acabe com ela de vez. O Departamento do Interior disse em 1990 que 34 espécies foram extintas enquanto aguardavam por decisões sobre a listagem.

Conservacionistas disseram que o presidente Barack Obama é solidário com a causa. Mas ativistas e não o governo, estão por trás do renascimento da lei. Durante a presidência de Bush e no início da de Obama, o Centro para a Diversidade Biológica e um grupo do Colorado, WildEarth Guardians, estiveram na ofensiva, bombardeando a Agência de Vida Selvagem, com exigências para que considerassem que centenas de novas espécies fossem colocadas em situação de risco.

Caso muitas das mais das 800 espécies listadas no assentamento recebessem proteção federal, como parece ser provável, eventualmente, a lista das espécies ameaçadas pode aumentar em até 60 % - e abranger mais território do que nunca.

Isso poderia levar a uma gama de desafios legais para empresas e ativistas conservadores. Eles disseram que uma maior lista de espécies ameaçadas é quase certo de que abrangerá mais regiões de desenvolvimento e por isso levantará mais reações por parte das indústrias afetadas.

Leia tudo sobre: espéciesconservaçãoextinçãoestados unidoseua

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas