Conter mudança climática exige US$700 bilhões por ano, diz estudo

Por Reuters | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Relatório do Fórum Econômico Mundial diz que quantia é necessária para reduzir emissões de gases do efeito estufa e promover energias renováveis

Reuters

Reuters

AP
Estudo calcula preço pela redução das emissões humanas de gases do efeito estufa

O mundo precisa gastar 700 bilhões de dólares adicionais por ano para controlar seu "vício" em combustíveis fósseis, que é apontado como maior causa da mudança climática atualmente em curso, segundo estudo divulgado nesta segunda-feira (21) pelo Fórum Econômico Mundial (FEM).

Na semana em que líderes de governos e da iniciativa privada se preparam para sua reunião anual no fórum de Davos, na Suíça, as nações permanecem profundamente divididas a respeito de quem deve pagar a conta pela redução das emissões humanas de gases do efeito estufa.

As recessões em nações desenvolvidas desde a crise financeira global de 2008 levaram a uma redução nas emissões, mas também deixaram os governos com menos recursos para investir em tecnologias limpas.

Infográfico: como acontece o aquecimento global 

A Aliança de Ação para o Crescimento Verde, que compilou o estudo para o FEM, disse que o gasto extra seria necessário para promover outras formas de geração energética (como a solar e eólica) e uma maior eficiência em setores como construção, indústria e transportes.

Leia também:
Apesar de falta de acordo global, países avançam em leis sobre clima, diz estudo
Calor recorde nos EUA provoca a floração mais antecipada da história

Esses 700 bilhões se somam a 5 trilhões de dólares a serem gastos por ano até 2020 em obras de infraestrutura sob o atual cenário.

Infográfico: quem são os maiores emissores de carbono 

"Moldar uma economia global adequada ao século 21 é o nosso maior desafio", escreveu no relatório o ex-presidente mexicano Felipe Calderón, presidente da Aliança, um grupo público-privado vinculado ao FEM e criado no ano passado numa reunião do G20 no México.

Infográfico: como funcionam as energias alternativas 

O estudo disse que um aumento anual de 36 bilhões de dólares nos gastos públicos globais contra a mudança climática, passando de 90 para 126 bilhões por ano, poderia desencadear um investimento privado ainda maior, num valor de até 570 bilhões de dólares por ano.

Mas os governos e a iniciativa privada nem sempre têm conseguido trabalhar conjuntamente na questão climática.

"Ainda há dinheiro do setor privado indo para a destruição climática", disse Jake Schmidt, diretor internacional de políticas climáticas do Conselho Nacional de Defesa dos Recursos, de Washington.

"Para lidar com a mudança climática, todos precisam avançar na direção certa. E a chave para tudo isso será como você libera grandes fontes de financiamento privado ... Os fundos de riquezas soberanas e os fundos de pensão têm muito capital. Mobilizá-los seria o Santo Graal."

O relatório encomendado pelo FEM apontou alguns sinais de otimismo. O investimento global em energias renováveis em 2011 bateu um novo recorde, chegando a 257 bilhões de dólares, uma alta de 17 por cento em relação ao ano anterior.

Mas as negociações climáticas da Organização das Nações Unidas (ONU), em dezembro, no Catar, terminaram com poucos avanços a respeito de um marco global para as reduções de emissões.

Veja todas as notícias sobre a COP 18, em Doha 

Em vez disso, os governos decidiram criar um novo tratado climático da ONU para entrar em vigor em 2020.

Um estudo publicado neste mês pelo periódico Nature disse que seria bem mais barato agir agora para manter o aquecimento global dentro de um limite de 2 graus Celsius definido pela ONU, em vez de esperar até 2020.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas