Nove ministros participam de reunião sobre prioridades brasileiras da Rio+20

Além do balanço sobre o resultado da cúpula, expectativa da reunião é de propostas para próximos passos sobre resoluções da conferência

Agência Brasil |

Agência Brasil

Nove ministros discutem com representantes da sociedade civil, do Legislativo e do Judiciário as estratégias brasileiras que devem ser implementadas para dar sequência aos resultados da Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20 . As discussões ocorrem seis meses após a Rio+20, em junho, no Rio de Janeiro.

Para especialistas, a reunião de hoje (18) é cercada de expectativas pois se aguarda a elaboração de uma proposta comum, que inclua as demandas de todos os segmentos, a ser encaminhada para a Organização das Nações Unidas (ONU). A proposta deve ser apresentada pela delegação brasileira no grupo de trabalho da Assembleia Geral das Nações Unidas que vai produzir o documento que será discutido no Foro de Alto Nível do Desenvolvimento Sustentável.

Retrospectiva 2012: Com a Rio+20 voltamos a falar de meio ambiente

Veja a cobertura completa da Rio+20 

Participam dos debates, no Ministério das Relações Exteriores, Itamaraty, os ministros das Relações Exteriores, Antonio Patriota; do Meio Ambiente, Izabella Teixeira ; da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho; da Segurança Institucional, José Elito Teixeira; da Igualdade Racial, Luiza Bairros; da Política para as Mulheres, Eleonora Menicucci, da Cultura, Marta Suplicy; do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas; e do Turismo, Gastão Vieira.

Na primeira etapa da reunião de hoje, que durou cerca de duas horas, cada ministro fez um balanço sobre a sua área. Para Patriota, a Rio+20 foi a “maior e mais participativa e inclusiva da história das Nações Unidas”. Segundo ele, a conferência reforçou o processo multilateral de negociações, destacando a atuação dos negociadores brasileiros, que conduziram um “processo aberto, transparente e equilibrado”.

Izabella Teixeira reiterou a defesa de mudanças no cálculo que mede o desenvolvimento dos países atualmente baseado apenas no Produto Interno Bruto (PIB). Um novo indicador, mais amplo, é defendido por vários setores do governo e há grupos setoriais analisando alternativas que viabilizem sua execução. Para a ministra, também é necessário avançar nas negociações de preservação da biodiversidade marinha em áreas que vão além da jurisdição nacional.

Para os negociadores do governo, a erradicação da pobreza é o item que deve ser destacado, não só no Brasil, mas na agenda global no quadro dos objetivos do desenvolvimento sustentável. Segundo o embaixador Luiz Alberto Figueiredo Machado, subsecretário-geral de Meio Ambiente, Energia, Ciência e Tecnologia do Ministério das Relações Exteriores e coordenador-geral da Rio+20, a reunião é fundamental para definir os rumos que serão tomados no país.

    Leia tudo sobre: rio20rio+20brasilonu

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG