Arranha-céus de Chicago ficam mais ecológicos

Cidade americana está incentivando seus famosos edifícios a adotarem dispositivos para economia de energia e reduzir emissões

AFP |

AFP

Getty Images
Vista de Chicago, com seus famosos arranha-céus

Os enormes edifícios de Chicago estão se tornando verdes com a instalação de aparelhos para aumentar a eficiência energética, como detectores de movimento nas luzes dos escritórios, parte de um projeto que as autoridades esperam inspirar mudanças em todos os Estados Unidos.

No hotel Sheraton, o engenheiro Ryan Egan não se cansa de comemorar a tecnologia de seus novos termostatos e a economia de 136 mil dólares na conta de luz.

Vinculada ao sistema de reservas, a aparelhagem controla a temperatura dos quartos para regulá-la até o momento exato da chegada do hóspede.

Um sensor infravermelho mostra que a economia não para por aí. Quando o hóspede deixa o quarto, a temperatura começa a mudar novamente, dando ao sistema de aquecimento ou resfriamento uma pausa até que necessitem ser utilizados novamente.

Não é uma mudança aleatória. O termostato é programado para permitir que o quarto seja aquecido ou resfriado até o ponto onde pode voltar para a temperatura pré-estabelecida 12 minutos antes do retorno do hóspede.

"A inteligência por trás do quanto ele pode mudar é realmente interessante", diz Egan. "Se você está no lado que pega sombra (no verão) vai mudar mais, porque o sistema sabe que pode se recuperar mais rápido".

Leia também:
Prédios sustentáveis reduzem o gasto com energia nos EUA
Nova York aposta em telhados brancos contra o aquecimento global
Trepadeiras nas fachadas podem diminuir poluição nas cidades em até 30%
Empire State terá energia de fontes eólicas

O hotel Sheraton é um dos 14 grandes prédios comerciais de Chicago que participam do projeto de Retrofit, termo utilizado na engenharia para designar a modernização de equipamentos, com o objetivo cortar o custo da energia utilizada em 20% nos próximos cinco anos, com uma economia estimada de 5 milhões de dólares por ano.

Se conseguirem chegar ao objetivo, seria como tirar 8.000 carros das estradas.

"Se levarmos em conta que essa é a cidade que construiu o primeiro arranha-céu no mundo, nós amamos a ideia de que ela está tentando ficar mais ecológica", disse Karen Weigert, chefe de sustentabilidade da cidade de Chicago.

Cerca de 70% das emissões de gases de efeito estufa na cidade dos ventos vêm da utilização de gás e eletricidade para o aquecimento ou refrigeração das casas, escritórios, escolas e outros prédios do governo.

Além da transformação de seus prédios comerciais, a cidade planeja cortes de energia em 20% dos prédios municipais para alcançar uma economia monetária de 20 milhões de dólares por ano e economia de emissões equivalentes à retirada de 30.000 veículos das estradas.

O governo lançou também um programa para modernização do sistema em residências e espera que mais prédios comerciais se unam ao desafio.

"A luta contra as mudanças climáticas pode tomar diversas formas. Esta também faz com que os donos dos prédios economizem muito dinheiro", diz Rebecca Stanfield, do Conselho de Defesa dos Recursos Naturais.

"Nós estamos animados com o potencial para os donos de grandes propriedades que contam com a iniciativa de Chicago para usar o que aprenderam aqui em todo o país."

Um programa similar é promovido pelo Departamento de Energia, que já conseguiu compromissos de escolas, cidades e empresários para reduzir a utilização de energia em 20% em 2 bilhões de metros quadrados.

A AT&T, primeira empresa a aceitar o desafio de Chicago, está testando novas tecnologias de uso mais eficiente de energia em seu prédio no centro da cidade.

Esse é apenas um pequeno passo para a gigante das telecomunicações, que planeja cortar suas emissões em 20% até 2020. Os resultados até agora têm sido impressionantes.

As luzes de teto foram trocadas por lâmpadas mais eficientes e foram instalados detectores de movimento para que as luzes não precisem ficar acesas quando os funcionários não estão em suas mesas.

Foram instaladas também mantas isolantes sobre o sistema de ar para manter o aquecimento no inverno e o calor longe do escritório no verão.

Reguladores foram instalados em grandes ventiladores para fazer circular o ar quente ou frio por todo o edifício dos anos 1960, funcionando apenas quando necessário e não o dia ou a noite inteira. Até mesmo as correias dos motores dos ventiladores foram trocadas para regular melhor seu funcionamento.

"Não há dúvida que nós identificamos oportunidades suficientes para economizar 20% de energia", disse John Schinter, diretor executivo para energia da AT&T.

Toda essa melhoria testada em Chicago vai se pagar em três anos ou menos, e será utilizada em 1.000 prédios corporativos e 500 alugados para onde a AT&T está direcionando seu plano de sustentabilidade, segundo Schinter.

"Se um projeto não tem o ambiente certo para uma empresa do tamanho da nossa, nós não vamos gastar nosso tempo corporativo com ele", diz Schinter.

Jim Javillet está maravilhado com a mudança de atitude em 43 anos de gerenciamento de prédios como a torre da AT&T.

"Nos anos 60 e 70 eles gastavam com aquecimento e resfriamento ao mesmo tempo o ano todo, porque não?", acrescenta.

Outro grande avanço é o desligamento das luzes dos prédios para que não precisem ficar acesas a noite toda.

Hoje, mesmo no meio do dia, é possível ver quem está longe de sua mesa de trabalho pela luz apagada no local. E quando se caminha em um corredor vazio, é criado um túnel de luz.

Este tipo de inovação é comum em países como a Espanha e o Japão, onde a energia é mais cara e o governo mais agressivo em forçar a economia e uma maior eficiência em sua utilização.

Mas os americanos estão prontos para aceitar esse desafio, diz Dan Tishman, cuja companhia é dona do Sheraton de Chicago e outros nove grandes hotéis nos Estados Unidos.

"Os consumidores nesse país estão confortáveis com a utilização de detectores de movimento em lâmpadas e outras tecnologias para economizar energia, como vasos sanitários com controle da utilização de água ou tetos verdes, e eles gostam disso", diz Tishman, que também é gerente do Conselho de Defesa dos Recursos Naturais e dono de uma empresa de construção.

"Eu acredito que quando implementarmos as mudanças que estamos planejando, teremos sucesso e outros grandes hotéis vão seguir essa ideia."

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG