Negociações de cúpula climática em Doha devem produzir acordo fraco

Discussões sobre documento final avançam além de prazo previsto, e Catar propõe texto de compromisso para tentar evitar fracasso de encontro

AFP |

AFP

O Catar, que hospeda as negociações da ONU sobre a luta contra as mudanças climáticas , propôs na manhã deste sábado um texto de compromisso para tentar evitar um fracasso.

Leia também: Disputas e falta de objetivos ameaçam resultado da cúpula climática em Doha

"Chegou o momento de intensificar os esforços", disse aos delegados e ministros de mais de 190 países reunidos em Doha o vice-primeiro-ministro do Catar, Abdullah al-Attiya, que preside a conferência da ONU realizada desde 26 de novembro na capital do país.

O responsável propôs às delegações uma série de textos com compromissos aceitáveis, segundo ele, para a totalidade dos temas discutidos no segundo ato do Protocolo de Kyoto, um dos principais pontos esperados desse acordo.

"Não temos dias inteiros à nossa disposição. Os ministros e delegados começam a ir embora, temos de terminar nas próximas horas", continuou. As delegações tinham uma hora e meia, ou seja, até as 5 horas de Brasília para ler os documentos e fazer propostas. Um negociador europeu disse à AFP que não era esperado um acordo "antes de ao menos várias horas".

Os delegados realizaram consultas durante toda a noite para tentar desbloquear, em vão, alguns temas muito delicados, entre eles o da ajuda financeira exigida pelos países do Sul para enfrentar os efeitos do aquecimento global.

Leia também:
Quase no fim da COP, choro e apelo por ação imediata
Promessas da União Europeia não rompem impasse na Conferência do Clima
Em Doha, ONGs fazem apelo por controle de temperatura
Veja a cobertura completa da COP 18

Os países do Sul pediram US$ 60 bilhões até 2015 para fazer a transição entre a ajuda de emergência de US$ 30 bilhões, acordada para o período de 2010-2012, e a promessa de US$ 100 bilhões por ano até 2020. Os principais países doadores não quiseram se comprometer a entregar semelhante soma.

Os negociadores tentam encontrar uma fórmula que satisfaça todos os países em desenvolvimento sobre o fato de que os países do Norte cumprirão com seus compromissos, mas os Estados Unidos, no meio da noite, estavam muito relutantes em aceitar qualquer menção muito vinculante.

Outros temas seguem sobre a mesa de negociações, como as exigências feitas pelos países do Sul aos do Norte pelas "perdas e danos" vinculados às mudanças climáticas, um cabo de guerra que opõe os países mais pobres e os Estados Unidos.

Os primeiros querem a aplicação de um mecanismo sobre esse tema, enquanto a delegação americana teme que algum dia isso leve a ações judiciais, segundo um observador das negociações.

A conferência de Doha tem por objetivo proporcionar o nascimento a partir de 1º de janeiro de 2013 do segundo período do Protocolo de Kyoto, única ferramenta que compromete os países industrializados a reduzir os gases de efeito estufa.

Análises:
COP 18: um retrato do mundo
Deixarão as florestas (morrer) no deserto?

Seu alcance é, na realidade, simbólico, já que os compromissos, principalmente os da UE e da Austrália, após a retirada de Japão, Rússia e Canadá, representam apenas 15% das emissões globais de gases de efeito estufa.

No entanto, os países em desenvolvimento insistem em manter vivo este instrumento legal, que obriga os países do Norte a agir, em nome de sua "responsabilidade histórica" nas mudanças climáticas.

Nas últimas semanas, os relatórios e estudos ressaltaram a situação real das mudanças climáticas e o fato de que os esforços realizados estão longe de poder freá-las, já que revertê-las parece difícil.

A temperatura global do planeta subirá de 3°C a 5°C, e não 2°C, a marca para além da qual o sistema climático se tornaria incontrolável.

Desde 1995, a comunidade internacional se reúne todos os anos em complexas e difíceis negociações dirigidas pela ONU para tentar aumentar e distribuir de forma igualitárias as reduções de gases de efeito estufa.

A próxima grande reunião é a de 2015 em Paris para alcançar um acordo universal sobre as reduções desses gases que envolva todos os países, incluindo os dois grandes poluidores do planeta, China e Estados Unidos, com medidas que devem entrar em vigor em 2020.

    Leia tudo sobre: mudanças climáticasaquecimento globalonucop18

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG