Desânimo marca último dia da conferência do clima

Financiamento para ações de adaptação e mitigação das mudanças climáticas continua indefinido

Agência Estado |

Agência Estado

A Conferência do Clima da ONU, que está sendo realizada em Doha, no Catar, entra em seu último dia nesta sexta-feira (7) sob desânimo e falta de sentimento de urgência entre os negociadores, apesar de urgência e ambição serem as palavras mais pronunciadas no evento.

O principal resultado deve ser a conclusão dos termos do segundo período do Protocolo de Kyoto, para entrar em vigor em 2013. Mas o chamado LCA (grupo de trabalho sobre cooperação de longo prazo), criado em 2007 na COP de Bali, que teria de ser finalizado neste ano, precisará de alguma manobra para destravar.

Veja a cobertura completa da COP 18

A encrenca, como sempre, é o financiamento dos países ricos para ações de mitigação e adaptação nos mais pobres. Há um compromisso, acordado em Copenhague em 2009, de que até 2020 se chegará a uma doação de US$ 100 bilhões por ano. A expectativa era de que em Doha se estabelecesse um mapa de como as nações vão chegar a esse valor.

O G-77 (grupo dos países em desenvolvimento) + China propôs um marco intermediário, de até US$ 60 bilhões em 2015, mas Estados Unidos e União Europeia dizem que não têm como se comprometer neste momento.

Análises:
COP 18: um retrato do mundo
Deixarão as florestas (morrer) no deserto?

Um meio-termo para conseguir a aceitação das nações mais pobres pode ser atingido se os ricos se mantiverem comprometidos a avançar neste cenário em 2013. A ideia transpareceu em entrevistas dos Basics (Brasil, China., Índia e África do Sul).

"Pedimos que o ínterim até 2020 se resolva. Entendemos as restrições que este momento de desafios financeiros cria, mas esperamos que os países desenvolvidos fiquem o mais perto possível disso. Negociamos com urgência e ambição em finanças, assim como em adaptação e mitigação. Pedimos que todas as partes façam o mesmo", disse o diplomata brasileiro André Odenbreit Carvalho.

Leia também:
Quase no fim da COP, choro e apelo por ação imediata
Promessas da União Europeia não rompem impasse na Conferência do Clima
Em Doha, ONGs fazem apelo por controle de temperatura

Por enquanto, os anúncios que foram feitos de liberação de dinheiro nos próximos dois anos - de Grã-Bretanha, Alemanha, França, Suécia e Dinamarca - ficaram em pouco mais de US$ 8 bilhões. Não chega nem perto de ser suficiente, face a gravidade do problema, mas ao menos foi um passo. Mas não está claro se é dinheiro novo ou não. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

    Leia tudo sobre: cop18mudanças climaticasaquecimento global

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG