Áreas de planalto do Pantanal sofrem mais devastação que planícies, diz estudo

Nas áreas de planalto, onde está a maior parte das nascentes que abastecem o Pantanal, apenas 40,7% da vegetação natural foram mantidos

Agência Brasil |

Agência Brasil

Mais de 86% das áreas naturais de planícies do Pantanal estão conservadas. Apesar do alto índice de preservação, as ameaças ambientais que rondam a porção brasileira da Bacia do Alto Paraguai não cessaram. O alerta é de um grupo de organizações não governamentais que atuam na região. De acordo com o grupo, a preocupação é com os níveis de conservação na parte alta da região. Nas áreas de planalto, onde está a maior parte das nascentes que abastecem o Pantanal, apenas 40,7% da vegetação natural foram mantidos.

A segunda edição do estudo Monitoramento das Alterações da Cobertura Vegetal e Uso do Solo na Bacia do Alto Paraguai (BAP), divulgado hoje (20), em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, destaca que a expansão das atividades agropecuárias e de obras de infraestrutura na região precisam ser monitoradas.

“Enquanto a parte baixa ainda está bastante preservada, a parte alta do Pantanal apresenta uma devastação grande. Esta relação é importante porque tudo o que acontece na parte alta vai ter impacto na planície”, disse Michael Becker, superintendente de conservação do WWF-Brasil.

O levantamento aponta que, em dois anos (entre 2008 e 2010), 0,80% da vegetação nativa nas áreas de planície foi ocupada por atividades humanas. No planalto, a ocupação ocorreu em 1,56% da área. Na primeira avaliação sobre a região, os pesquisadores apontaram que, entre 2002 e 2008, o planalto perdeu 4% da vegetação natural e as áreas nativas de planície foram reduzidas em 2,4%.

Leia mais:
Desmatamento na Mata Atlântica, Pampa e Pantanal registra queda
Ambientalistas brasileiros pedem proteção do Pantanal
Apenas 12% da área original da Mata Atlântica está preservada, diz IBGE

“Os dados não apresentam variações grandes, mas estamos falando de uma área de planalto que foi convertida em pastagem de 140 mil hectares, ou seja, 140 mil campos de futebol. Não é a intenção deste estudo atacar o setor produtivo, mas temos que ter uma atenção especial”, disse.

Becker ainda destacou que obras como barragens na região, que é caracterizada pelas inundações constantes, podem significar assoreamento de rios e redução no volume de pescados. Para o pesquisador, os dados devem ser considerados na definição e aplicação de políticas locais. O estudo destaca, por exemplo, que a legislação ambiental deve ser cumprida e adaptada ao Pantanal.

“O Pantanal tem características específicas de pastagens naturais e obedece um ritmo de inundações que é uma das características peculiares da região. Temos que ter outras regras diferentes das aplicadas aos outros rios do país”, defendeu Becker.

O monitoramento da Bacia do Alto Paraguai tem sido feito a cada dois anos pelas organizações não governamentais. As análises são feitas apenas na parte brasileira da bacia, que representa 60% da área transfronteiriça. Com área de quase 620 mil quilômetros quadrados, a bacia ainda ocupa parte da Bolívia e do Paraguai.

O documento foi elaborado por representantes das organizações Conservação Internacional, Ecoa-Ecologia e Ação, Fundação Avina e WWF-Brasil e pela Embrapa Pantanal.

    Leia tudo sobre: pantanalconservaçãonaturezanascenterioságua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG