Banco Mundial teme trágico aumento de temperatura em 4°C para 2060

Relatório da instituição diz que os governos precisam cumprir suas promessas de combater as mudanças climáticas para evitar consequências funestas para o clima

AFP |

AFP

O Banco Mundial advertiu no domingo (17) que a temperatura global aumentará quatro graus centígrados até 2060 se não forem tomadas ações imediatas, com consequências potencialmente devastadoras para cidade costeiras e países pobres.

"O tempo é muito, mas muito curto. O mundo deve enfrentar o problema das mudanças climáticas de forma mais agressiva", disse o presidente do Banco Mundial, Jim Yonk Kim, em uma coletiva de imprensa por telefone de Washington para divulgar o relatório dirigido pelo organismo.

Veja no infográfico: como acontece o aquecimento global 

Em um chamado à ação, o organismo vinculou a futura riqueza do planeta - e, sobretudo, das regiões em desenvolvimento - aos esforços imediatos para reduzir as emissões de gases de efeito estufa das fontes de energia.

"Nunca acabaremos com a pobreza se não lutarmos contra as mudanças climáticas. É um dos maiores desafios para a justiça social na atualidade", disse Kim.

Segundo o relatório, até 2060 o planeta pode aumentar sua temperatura em até quatro graus centígrados acima dos níveis do planeta pré-industrial se as promessas dos governos de combater as mudanças climáticas não forem cumpridas.

Leia também:
ONU alerta que desastres climáticos vão se agravar
Mudanças climáticas agravam situação de refugiados, diz comissário da ONU
Imagens de satélite revelam aumentos desiguais nos níveis dos oceanos
O presidente que luta contra um desastre ambiental

Mas inclusive se os países cumprirem os compromissos assumidos até a data, o estudo apontou 20% de probabilidade de aumento de quatro graus para 2100 e afirmou que era muito provável um aumento de três graus.

Os acordos sobre o clima liderados pela ONU se comprometeram a limitar o aumento da temperatura a não mais que dois graus.

"Um mundo quatro graus mais quente pode e deve ser evitado. Temos que manter o aquecimento abaixo de dois graus", ressaltou Kim.

"A falta de uma ação ambiciosa sobre as mudanças climáticas ameaça colocar a prosperidade fora do alcance de milhares de pessoas e fazer décadas de desenvolvimento retrocederem", acrescentou.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, destacou em um comunicado que o informe mostrou a necessidade de que os países mantenham seus compromissos assumidos no ano passado em Durban, na África do Sul, para colocar em andamento um novo acordo vinculante em 2015.

A maioria dos 190 países da convenção das Nações Unidas sobre mudanças climáticas inicia suas últimas reuniões anuais no dia 26 de novembro no Qatar.

As temperaturas globais já aumentaram cerca de oito graus centígrados. O planeta registrou uma série de temperaturas recorde durante a década passada e experimentou frequentes desastres que especialistas atribuem às mudanças climáticas, sendo o mais recente a supertempestade Sandy, que atingiu Haiti, Cuba e a costa leste dos Estados Unidos de forma inclemente.

    Leia tudo sobre: aquecimento globalmudança climáticacop 18cop18

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG