Projeto prevê fim de proteção ambiental de área no Rio

O prefeito Eduardo Paes apresentou a vereadores a proposta de tirar proteção de terreno na Barra para construção de um campo de golfe para as Olímpiadas

Agência Estado |

Agência Estado

O prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), apresentou nesta segunda-feira (5) a um grupo de 27 vereadores um pacote de projetos que inclui a retirada da proteção ambiental de uma área de 50 mil metros quadrados em terreno da Barra da Tijuca, na zona oeste, onde deverá ser construído um campo de golfe para a Olimpíada de 2016. Como o recesso na Câmara Municipal começa no dia 15 de dezembro, os projetos de lei deverão ter pouco mais de um mês para discussão.

Leia também:
Lagoas da Barra da Tijuca, no Rio, vão ser recuperadas
Construções olímpicas precisam ser pensadas para depois dos jogos

O prefeito justificou a decisão dizendo que aquele trecho da Área de Proteção Ambiental de Marapendi, considerado Zona de Conservação da Vida Silvestre, está degradado e que não será gasto dinheiro público na obra. A construção do campo de golfe e do prédio do centro de mídia e transmissões da Olimpíada, no Parque Olímpico, seria financiada com aumentos de gabarito.

"Eles (os empresários) aceitaram porque terão ganho imobiliário. Nenhum deles faz filantropia. Vamos usar o lucro para uma boa causa", disse Paes. Também estão incluídas no pacote ampliações de isenções a novas construções na zona portuária. A vereadora de oposição Sônia Rabelo (PV) criticou as propostas de mudança de parâmetros ambientais e urbanísticos na zona oeste. "O verde do campo de golfe não significa preservação da vida silvestre. Foi uma imposição da federação internacional de golfe, e a decisão já está tomada, antes da votação." Ela defende que o campo seja construído na zona norte. "Temos absoluto desconhecimento do que está sendo proposto. Cada um desses projetos levaria dois ou três meses, se houvesse uma perspectiva de discussão".

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG