AIE apresenta propostas para dobrar energia hidrelétrica até 2050

Agência Internacional de Energia pediu o fim dos obstáculos legais e que a energia seja melhor aceita

AFP |

AFP

A Agência Internacional de Energia (AIE) apresentou nesta segunda-feira (29) uma série recomendações para dobrar a produção de energia hidrelétrica no mundo até 2050, com o objetivo de limitar as emissões de gases que provocam o efeito estufa e conter o aquecimento do planeta.

Em 2010, as fontes hídricas geraram 16,3% da energia consumida no mundo, quase 3.500 terawatts (TWh), recordou a AIE, uma agência com sede em Paris ligada à OCDE, em um mapa do caminho divulgado por ocasião do congresso Hidro 2012, que acontece até quarta-feira em Bilbao, norte da Espanha.

Leia mais: Emissões globais de CO2 atingem recorde em 2011, diz AIE

Esta produção supera a energia nuclear (12,8%), o que faz desta a primeira fonte renovável de energia elétrica, muito à frente da eólica, solar, geotérmica e outras energias renováveis (3,6%).

Mas é relativamente pouco na comparação com as energias fósseis (petróleo, carvão e gás), que asseguram 67% da produção mundial de eletricidade.

Para duplicar a capacidade e a produção hidrelétrica até 2050, a agência pediu o fim dos obstáculos legais e que a energia seja melhor aceita.

Entenda: Como ocorre o aquecimento global? 

Também defende a modernização e aumento da capacidade das usinas existentes com mais turbinas. A AIE sugere uma série de ações governamentais como a adoção de planos de desenvolvimento nacionais, maior cooperação entre as fronteiras ao redor das grances baciais fluviais, simplificação dos processo administrativos, entre outros.

A agência faz recomendações em termos de aceitação ambiental e social, ponto fraco da energia hídrica.

Veja quem são os maiores emissores de dióxido de carbono do mundo 

As represas, que não emitem CO2 com exceção da construção, são geralmente rejeitadas pelas consequências para a fauna e a flora, assim como para as populações próximas.

A AIE não oferece respostas milagrosas para o dilema e sugere "evitar tanto quanto possível os impactos negativos" e "quando for impossível evitá-los, que sejam minimizados, atenuados ou compensados".

    Leia tudo sobre: energiaaieambienteágua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG