Expansão urbana pode deixar cidades mais verdes até 2030, diz ONU

Relatório aponta crescimento das cidades como oportunidade para a criação de mais parques e a construção de jardins sobre lajes de prédios

Reuters |

Reuters

Melissa Farlow/ National Geographic Image Sales
Em Chicago, a passarela percorre o maior telhado verde do mundo no Millennium Park

As áreas urbanas do mundo vão mais do que dobrar de tamanho até 2030 e isso será uma oportunidade para construir cidades mais verdes e saudáveis, segundo um estudo da Organização das Nações Unidas (ONU) divulgado na segunda-feira.

Medidas simples de planejamento, como a abertura de mais parques, o plantio de árvores e a construção de jardins sobre lajes de prédios, podem tornar as cidades menos poluídas e ajudar na proteção de plantas e animais, especialmente em grandes nações emergentes, como China e Índia, onde o crescimento urbano deve ser mais acelerado, disse o estudo.

"Uma rica biodiversidade pode existir nas cidades e é extremamente crítica para a saúde e o bem-estar das pessoas", escreveu o editor-científico do estudo, intitulado "Perspectiva das Cidades e da Biodiversidade", Thomas Elmqvist.

Leia mais: 
Cidade do Cabo usa paintball e pimenta contra babuínos 'arruaceiros'
Cidades vão ganhar 15% da área da Europa até 2030

A população urbana do mundo deve saltar de pouco mais de 3,5 bilhões atualmente para 4,9 bilhões em 2030, segundo avaliação da Convenção da ONU para a Diversidade Biológica.

Ao mesmo tempo, a área coberta pelas cidades deve crescer 150 por cento, diz o estudo.

"A maior parte desse crescimento deve acontecer em cidades pequenas e médias, não em megacidades", diz o estudo, divulgado por ocasião de uma reunião da ONU sobre biodiversidade em Hyderabad, na Índia.

Mais espaços verdes nas cidades podem filtrar a poluição e a poeira e absorver o dióxido de carbono, principal dos gases do efeito estufa. Alguns estudos mostram que a presença de árvores pode ajudar a reduzir a asma e as alergias em crianças que vivem próximas, diz o texto.

O estudo salienta também a ampla diversidade de plantas e animais nas cidades.

Varsóvia, por exemplo, concentra 65 por cento das espécies de aves encontradas na Polônia. A Montanha de Mesa (Cidade do Cabo, África do Sul) e o Parque Nacional Saguaro (Tucson, Estados Unidos) são citados como outros exemplos de riqueza natural urbana.

"O desenvolvimento urbano sustentável que ampara ecossistemas valiosos representa uma grande oportunidade para melhorar vidas e subsistências", disse o chefe do Programa Ambiental da ONU, Achim Steiner.

Uma maior arborização das cidades pode ajudar a resfriá-las no verão, reduzindo o uso do ar-condicionado, diz o texto.

"Recentes estudos salientam a importância dos jardins urbanos, mesmo que pequenos, no fornecimento de um habitat para polinizadores nativos, como abelhas, que vêm declinando em ritmo alarmante nas últimas décadas", disse o estudo.

E o relatório aponta também argumentos imobiliários para uma cidade mais verde.

Nos Estados Unidos, "parques urbanos elevam o valor de propriedades residenciais próximas numa média de 5 por cento; parques excelentes podem representar um aumento de 15 por cento", afirma o texto.

(Reportagem de Alister Doyle)

    Leia tudo sobre: MUNDONORUEGACIDADESVERDES

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG