Morsa órfã será transportada para zoológico de Nova York

Filhote de 106 quilos, chamado Mitik, chega ao zoo na quinta-feira

The New York Times |

Alaska Sea Life Center via The New York Times
Filhote morsa, chamado Mitik, vai chegar ao zoológico de Nova York na quinta

Como é possível transportar um bebê de 106 quilos para a cidade de Nova York? Se ele é uma morsa de 15 semanas de idade, resgatada do mar aberto na costa do Alasca, a resposta é uma caixa tamanho jumbo à bordo de um jato de carga da FedEx, acompanhada por um veterinário e um cuidador.

"Se ele estiver calmo e confortável, não há porque se preocupar", disse Jon Forrest Dohlin, diretor do aquário de Nova York, que receberá o filhote morsa, chamado Mitik, nesta quinta-feira, dia 11 de outubro.

Mitik vai chegar em um momento importante para o aquário situado perto do calçadão de Coney Island, no Brooklyn. O aquário, parte da Sociedade de Conservação da Vida Selvagem, é apenas uma das várias instituições que exibem morsas nos Estados Unidos. Uma de suas duas morsas, Nuka, tem 30 anos de idade, uma veterana pelos padrões de vida de uma morsa.

Devido ao fato de morsas serem animais sociais, o aquário seria duramente pressionado para manter sua outra morsa, Kulu, de 17 anos de idade, caso Nuka morresse.

"Nossa preocupação é que nossa morsa mais idosa eventualmente irá morrer", disse Dohlin, "e nós realmente não queremos ter um animal solitário."

Desde o final de julho, Mitik e uma outra morsa órfã, Pakak, foram amamentadas com mamadeira e se exercitaram no Centro para Vida Marinha do Alasca, um aquário em Seward que realiza pesquisas e responde ao resgate de mamíferos marinhos. (Pakak, apelidado Pak, vai chegar ao zoológico de Indianápolis na quinta-feira, dia 11 de outubro). Mitik - ou Mit - estava fraco devido a uma doença e era consideravelmente menor do que Pakak quando foi encontrado por um navio de caça há vários quilômetros da costa.

Leia mais: Ártico tem aumento de espécies marinhas e baixa de aves

Mit inicialmente sofria de problemas na bexiga e não podia utilizar uma mamadeira, necessitando tanto de um cateter quanto um tubo de alimentação. Mas agora ele está sugando sem problemas uma mamadeira e engordando cerca de meio quilo por dia.

"Foi algo bastante improvisado durante algumas semanas", disse Tara Riemer Jones, presidente do Centro para Vida Marinha. "Eles estavam tratando-o para um monte de coisas diferentes."

No Aquário de Nova York na terça-feira, dia 09 de outubro, as futuras companheiras de Mit estavam deslizando para trás e para a frente, fazendo graciosas curvas em sua piscina de pedra - ou pelo menos com o máximo de graciosidade que criaturas deste tamanho conseguem fazer. Kulu pesa 580 quilos, e Nuka 850.

No entanto, as duas fêmeas não irão se encontrar com Mit por alguns meses. Ele vai passar os primeiros 30 dias em quarentena dentro da unidade de saúde do aquário.

"O período de quarentena pode ser estendido, porque ele está em período de amamentação e nós iremos ter que desmamá-lo", disse Dohlin, explicando que a alimentação de Mit irá começar a ser baseada em amêijoas, lula e arenque. Ele vai se juntar a exposição na próxima primavera, depois que ele tiver a oportunidade de conhecer e interagir com Kulu e Nuka.

Esta abordagem conservadora da sociedade resultou, em parte, de uma dolorosa perda em 2009, quando a única cria de Kulu - um macho nascido e criado no aquário - morreu após desenvolver uma infecção bacteriana.

"Nascimentos em cativeiro são extremamente raros e sua cria conseguiu sobreviver durante dois anos", disse Dohlin. "Foi esmagador."

Se, eventualmente as coisas esquentarem entre Mit e Kulu, no que seria decididamente um acasalamento entre Maio a Dezembro, ainda permanecerá sem resposta.

"Kulu é uma reprodutora comprovada", disse Dohlin. "Mas não é claro se ela ainda estará em idade reprodutiva. “ O intuíto desta operação é o salvamento de Mit. Ele é um filhote órfão, e nós temos espaço e tecnologia para ajuda-lo. É uma grande oportunidade para ele e ao mesmo tempo coincide com muitos de nossos objetivos. "

Por Lisa W. Foderaro

    Leia tudo sobre: animaiszoológicoconservação

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG