Pesquisadores 'instalam' GPS em tubarões em programa de preservação

Dispositivo anexado nas barbatanas foi usado para avaliar o impacto do turismo de observação no habitat dos animais

BBC |

BBC

Pesquisadores da Universidade de Miami, no estado americano da Flórida, fizeram um estudo para descobrir como o ecoturismo afeta o comportamento dos tubarões. Há um debate entre os especialistas em conservação sobre se as empresas que oferecem pacotes de mergulho para observação de tubarões podem estar prejudicando esses animais.

O estudo usou um dispositivo de rastreamento por satélite, instalado nas barbatanas de tubarões que habitam áreas de mergulho. Uma das áreas pesquisadas é a Tiger Beach, nas Bahamas, onde turistas interessados em tubarões - amados e temidos por tantos – podem chegar perto dos animais.

Para efeito de comparação, os pesquisadores instalaram o GPS em tubarões da Tiger Beach, que têm contato constante com seres humanos, e também na Flórida, onde não existe esse contato.

"Isso requer uma coordenação tremenda e confiança entre a equipe para que seja mantida a segurança dos homens e dos tubarões", disse Neil Hammerschlag, um dos ambientalistas envolvidos no estudo. "A coisa mais importante é instalar o dispositivo no tubarão e, depois, que ele nade feliz e saudável."

Os pesquisadores acreditavam que os movimentos dos tubarões de Tiger Beach seriam restritos por eles serem atraídos "artificialmente" a áreas pequenas de ecoturismo com iscas. No entanto, eles ficaram surpresos ao saber que os animais ocupavam uma área de cerca de 8.500 quilômetros quadrados, cinco vezes maior do que a ocupada pelos tubarões da Flórida pesquisados.

Leia mais:
Estado australiano autoriza matar tubarões que ameaçarem banhistas
Vídeo: Equipe 'pesca' tubarões ameaçados em esforço de preservação
Estudo revela comportamento de tubarões na Flórida

Os pesquisadores também descobriram novas informações sobre os tubarões: "Nós descobrimos que os tubarões-tigre fazem migrações de longa distância, até então desconhecidas, de até 3.500 quilômetros no Oceano Atlântico aberto", disse Hammerschlag, que sugere que os tubarões estejam nadando nas águas ricas da Corrente do Golfo em busca de alimentos.

Veja os casos de ataque de tubarão este ano:
Mergulhador morre atacado por tubarão no oeste da Austrália

Tubarão mata bodyboarder em 'paraíso' de surfistas
Tubarão arranca perna de banhista na África do Sul
Tubarão de 500 kg pula dentro de barco na África do Sul
Ataques de tubarão ferem duas pessoas em dois dias na Rússia
Britânico morre em ataque de tubarão durante lua de mel nas Seychelles
Vídeo: pescador pega tubarão pelo rabo nos EUA

"Embora os mergulhadores usem artifícios para atrair tubarões, nossos resultados sugerem que isso não afeta seus movimentos em grande escala e no longo prazo", disse Hammerschlag, concluindo que o ecoturismo com tubarões na região pesquisada traz benefícios e deve ser incentivado.

    Leia tudo sobre: tubarõesanimaismonitoramentoconservação

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG